Fogo de fim-de-ano “está programado e vai ser dado”

O chefe do Governo madeirense foi hoje bastante inquirido pelos jornalistas, numa conferência de imprensa online, sobre as condições em que se verificará o fogo de artifício do fim-de-ano na Madeira, não tendo ficado propriamente claro de que forma se propõe controlar os previsíveis ajuntamentos. Albuquerque persiste na ideia de que o fogo é para realizar, fechando os bares, restaurantes e demais locais de convívio, excepcionalmente, na noite do dia 31, à 1 da manhã, hora após a qual, disse, as pessoas deverão deslocar-se “evitando os ajuntamentos” e, recomendavelmente, indo para casa. “O fogo já está programado e vai ser dado dentro daquelas condições de segurança”, referiu.

Porém, apelou à responsabilidade de cada um, pois “nem o Governo nem nenhuma entidade pública tem capacidade para fiscalizar os actos das pessoas”.

Ou as pessoas cumprem o que está determinado, e haverá uma situação controlada em Janeiro, ou não cumprem, continuam a pensar que elas próprias estão imunes a este vírus (…) e as consequências não serão boas, declarou.