Rui Barreto vai gerir 135,9 milhões do bolo orçamental em 2021

Para 2021, o orçamento global da Secretaria Regional de Economia (SREM) ascende a um montante de 135,9 milhões de euros, o que representa um aumento de 340,2% face aos valores do orçamento inicial de 2020.

Excluindo de 2021 as dotações afetas a medidas COVID-19 (88,9 milhões de euros) o aumento ainda que significativo diminui para 96,2%, explicando-se o mesmo pelo facto de no orçamento inicial de 2020 ainda não estarem incorporadas todas as despesas afetas à nova Secretaria Regional.

Por natureza económica, verifica-se que as Despesas de capital que aumentam 82,8 milhões de euros representam 65,7% do total e as despesas correntes (mais 22,2 milhões de euros) cerca de 34,3% da despesa total a realizar em 2021.

Considerando a classificação económica da despesa, destacam-se as dotações afetas a Despesas de capital, mais especificamente as Transferências de capital que deverão atingir os 83,5 milhões de euros representando assim 93,5%. Ao nível das Despesas correntes haverá aumentos em todas as rúbricas, salientandose as Transferências correntes (+12,3 milhões de euros), a Aquisição de bens e serviços (+4,8 milhões de euros) e os Subsídios (+4,2 milhões de euros.

Será de notar que os investimentos do plano representam 90,8% do total das despesas e o Funcionamento normal cerca de 9,2%.