PPM manifesta dor pelo falecimento de Gonçalo Ribeiro Telles

O PPM vem por este meio manifestar a sua dor pelo falecimento do fundador, Gonçalo Ribeiro Telles, antigo subsecretário de Estado do Ambiente e Ministro de Estado e da Qualidade de Vida, reza um comunicado enviado à imprensa.
“Quando, em 1974, juntamente com outros nomes, Gonçalo Ribeiro Telles tomou a decisão de corajosamente assumir a criação de um partido monárquico, com princípios inovadores para a altura – e que hoje tantos se aproveitam – como a Ecologia, era já um homem à frente do seu tempo”, refere o PPM.
“Visionário como arquitecto paisagístico, não deixou de o ser também no campo da Política quando, em 1979, esteve na formação daquele que foi o primeiro governo de maioria absoluta em Portugal após o 25 de Abril. A AD, do qual foi um dos líderes, juntamente com Francisco Sá Carneiro e Diogo Freitas de Amaral, é ainda hoje um modelo de garantia de Democracia, Estabilidade e Progresso em Portugal como se viu, aliás, na recente solução governativa nos Açores”, afirma este partido.
“Por o PPM manter ainda a mesma identidade política que esteve na sua formação, com a defesa da Democracia e a Ecologia, o falecimento de Gonçalo Ribeiro Telles é, para nós, a triste constatação da mortalidade dos homens, mas a firme convicção de que as suas ideias não morrem com eles”, afirma os monárquicos madeirenses.
“Apesar de não estar representado no Parlamento português, o PPM apela aos demais partidos que não deixem de assinalar condignamente o nome deste grande Homem da Democracia”, conclui a nota à comunicação social.