Navio alemão desafiado a investigar os mares da Madeira

A directora regional do Mar desafiou na quinta-feira o instituto alemão Max Planck a fazer pesquisas nos mares da Madeira para avaliar a qualidade das águas e os níveis de eventual contaminação. O repto surgiu no decorrer da visita que Mafalda Freitas e João Delgado, director dos serviços de estudos e investigação da Secretaria Regional de Mar e Pescas, realizaram ao navio de investigação alemão Eugen Seibold, de passagem pelo porto do Funchal.

O navio pertence ao instituto Max Planck, uma organização mundialmente conhecida como instituição de ponta nas áreas da pesquisa científica e tecnológica, e tem a particularidade de ostentar a bandeira portuguesa por estar inscrito no Registo Internacional de Navios da Madeira.

O navio efectua amostragens de plâncton para avaliar a contaminação do mar. Nesse sentido, a directora regional aproveitou para estabelecer contactos, desafiando os responsáveis a trazerem o navio no próximo ano para efetuarem amostragens nos mares da Madeira.

O Eugen Seibold tem 22 metros de comprimento e é conhecido pela “casa dos investigadores”. Sendo a investigação dos oceanos dispendiosa, a Max Planck entende que a opção por iates de investigação permite “realizar observações a longo prazo em certas regiões marinhas com um orçamento comparativamente baixo”.