PS enaltece trabalho do actor Juvenal Garcês, recentemente falecido

Os deputados do PS-Madeira manifestaram a sua intenção de apresentar, na Assembleia Legislativa da Madeira, um voto de pesar pelo falecimento do actor e encenador Juvenal Garcês.

Natural do concelho da Ribeira Brava, onde voltou a viver nos últimos anos, Juvenal Garcês iniciou a sua carreira em 1977, tendo vindo a somar diversos sucessos ao longo do seu percurso profissional. Faleceu na passada terça-feira, aos 59 anos.

A deputada Olga Fernandes considera que “a cultura portuguesa fica mais pobre com o seu desaparecimento” e enaltece “toda a sua dedicação e profissionalismo” à área cultural, em particular ao teatro. Neste âmbito, destaca-se o facto de ter fundado, juntamente com Mário Viegas, a Companhia Teatral do Chiado.

O seu percurso como actor iniciou-se em 1977, numa encenação do “Auto da Barca do Inferno”, de Gil Vicente, pelo Grupo Experimental de Teatro do Funchal. Seguiu depois para Lisboa e chegou a pisar palcos além-fronteiras, nomeadamente em Macau e na China.

Aos 34 anos, após a morte de Mário Viegas, encenou a sua primeira peça, intitulada “Dá Raiva Olhar para Trás”, de John Osborne.

Ao longo da sua carreira, encenou peças baseadas nos textos de grandes nomes, tais como Shakespeare, Samuel Beckett, Richard Harris, August Strindberg, Henrik Ibsen, entre outros. Trabalhou também com Filipe la Féria em espectáculos na Casa da Comédia.

Os sucessos das suas peças mereceram o êxito da crítica, tendo feito brilhar muitos dos artistas que com ele trabalharam, dizem os socialistas.

“Permanecem entre nós a sua obra imaterial, a sua dedicação e empenho ao teatro enquanto actor e encenador”, afirma a deputada Olga Fernandes, destacando o mérito do trabalho de Juvenal Garcês, a cuja família o PS endereça as mais sentidas condolências.