Posição do PS também é crítica da prorrogação do estado de calamidade

Os deputados do PS-M na Assembleia Legislativa da Madeira, consideraram na sexta-feira que as mais recentes medidas adoptadas pelo Governo Regional em matéria de contenção à Covid-19 transmitem insegurança para o exterior.  O deputado e presidente do PS-Madeira, Paulo Cafôfo, em declarações à comunicação social, disse mesmo que “a questão da prorrogação do Estado de Calamidade e o uso obrigatório e generalizado das máscaras têm causado efeitos extremamente negativos no Turismo”, apontando as notícias que dão conta das reservas canceladas em diversas unidades hoteleiras da Região.

O socialista considerou que esta acção tem “transmitido uma mensagem de que a situação epidemiológica na Região está descontrolada”, colocando grande entraves à retoma do sector turístico.

Paulo Cafôfo afirmou, na oportunidade, que há “falta de estratégia” e aponta que “não podemos estar todas as semanas com medidas avulsas, porque aquilo que precisamos, neste momento, é de estabilidade”.

O parlamentar considerou que falta capacidade de diálogo no Governo Regional, “porque não auscultou o sector do turismo, não auscultou os agentes de turismo, nem as outras forças políticas”.

“Tem faltado competência na comunicação, para não dizer que há uma comunicação desastrosa com notícias muito negativas sobre a Madeira espalhadas por todo o Mundo”, disse.

Paulo Cafôfo sublinha assim que, é importante não cometer mais erros, mas ressalva que “pior será persistir nesse erro”.

“O Partido Socialista apela para que o Governo Regional possa fazer um recuo nesta resolução, para que possa pôr fim a esta situação”.

Dessa feita e tendo em conta o mercado nacional, Paulo Cafôfo critica a falta de soluções no concerne aos acordos com laboratórios responsáveis pelos testes à Covid-19, onde a Madeira conta, neste momento, com apenas três postos.

“Temos 3 postos de análise, que não são suficientes, nem respondem às necessidades, enquanto que, por exemplo, os Açores têm já 124 postos, espalhados por todo o país”, expõem, reforçando a mensagem que “são necessárias medidas concretas que visem a retoma do turismo, o principal motor da economia regional”.