PSD-M exulta com “vitória da Madeira e derrota pesada do PS”

O PSD/Madeira, pela voz do seu secretário-geral, José Prada, veio hoje congratular-se com a votação favorável na Assembleia da República, que vai ao encontro às pretensões da Região e ao que o PSD sempre defendeu, desde a primeira hora, reivindicações essas que o partido considera “mais do que legítimas”, classificando-as como “justas e essenciais. Os social-democratas salientam o facto de as suas duas propostas “terem sido aprovadas pela larga maioria dos Partidos, à excepção do Partido Socialista”.

O PS-M considera, assim, que esta é “mais uma importante vitória para a Madeira e uma pesada derrota para o Partido Socialista, que insiste em continuar a votar contra os Madeirenses, contra a Autonomia e contra uma Região que é alvo de um tratamento vergonhoso, injusto e desigual, evidente para todos os Portugueses, apenas e tão só por razões e argumentos político-partidários”.

Salientando a sua própria “tenacidade”, o comunicado enviado às Redacções recorda “que foi o PSD que avançou para a apresentação destas duas propostas no parlamento nacional (dada a falta de resposta do Governo da República, há cerca de três meses), e que foi graças à insistência e à urgência que o PSD afirmou que esta discussão e votação tiveram lugar esta semana e que, finalmente, foi graças ao PSD que a Madeira, finalmente, vê aprovada a possibilidade de reforçar as respostas sociais e económicas que são inadiáveis, nesta altura, às famílias e às empresas, respostas essas que, até hoje, deu sozinha e sem qualquer solidariedade ou apoio do Estado”.

A votação é considerada essencial para que a Região possa, efectivamente, cumprir com as suas respostas sociais e económicas, tendo a possibilidade de recorrer, assim, ao endividamento e de afectar as verbas ora adiadas, do PAEF, a necessidades e apoios que são urgentes. Necessidades essas que, para o PS, poderiam esperar para ser colmatadas através da aprovação do Orçamento suplementar, daqui a dois ou três meses.

O comunicado termina salientando que o PS e seu Governo mantêm “dois pesos e duas medidas”.

Nesta nota não se faz qualquer menção ao facto de os deputados socialistas madeirenses terem votado a favor, contra a orientação da sua própria bancada.