Governo da República transmite questões de Estado à Madeira através de deputados socialistas, acusa o PSD-M

O PSD-Madeira emitiu há pouco um comunicado assinado pelo secretário-geral José Prada, onde toma posição sobre o anúncio feito pelo deputado socialista Paulo Cafôfo no DN Funchal sobre medidas de apoio da República à Madeira.

Diz o PSD-M que “a ser verdade o que vem a público, hoje, num dos órgãos de comunicação social regional, o PSD/Madeira lamenta e repudia a postura promíscua que, mais uma vez, o Governo da República assume, ao confundir os seus papéis e ao transmitir supostas decisões que são de Estado a deputados do seu Partido, decisões essas que foram negadas, ao longo dos últimos três meses, a todos os Madeirenses e Porto-Santenses”.

Acrescenta José Prada que se confirma “assim, que António Costa está bem mais preocupado em ser Presidente do PS do que em ser Primeiro-Ministro de todos os Portugueses, numa atitude que simultaneamente reforça o oportunismo, a demagogia e a conivência existente neste Partido para atrasar o mais possível respostas que são urgentes à Madeira, para, depois, retirar delas dividendos políticos.

Será importante lembrar que foi essa falta de resposta aos sucessivos apelos da Região, junto do Governo da República, que levou a que o PSD/Madeira, em articulação com o PSD Nacional, avançassem para a discussão destas duas propostas na Assembleia da República, no sentido de permitir o endividamento da Região e uma moratória nos juros do PAEF, precisamente para que a Madeira pudesse fazer face aos elevados constrangimentos financeiros existentes neste período.

Propostas que, a serem aprovadas conforme se espera, significam mais capacidade de resposta às necessidades urgentes da nossa população, tanto do ponto de vista social quanto económico, respostas essas que, até agora, a Região assumiu sozinha, sem contar com qualquer espécie ou manifestação de solidariedade nacional, penalizada apenas e tão só por fundamentos político-partidários.

Depois de confirmada a promiscuidade, a falta de bom senso e a irresponsabilidade que norteiam a atuação de quem governa este País, o essencial é que estas duas propostas -apresentadas e defendidas pelo PSD – sejam viabilizadas, porque é isso que realmente importa aos Madeirenses e Porto-Santenses que foram desprezados e ignorados, ao longo dos últimos meses, numa discussão que se deve, única e exclusivamente, ao trabalho efetuado pelo PSD/Madeira na Assembleia da República.

Veremos, assim, quem é que está ou não ao lado dos Madeirenses e espera-se que, mais do que mera propaganda ou campanha pré-eleitoral, o PS assuma as suas responsabilidades e vote a favor da Madeira, numa posição que, sendo exceção à regra, impõe-se e exige-se, a bem de toda a Região”.