Idalino acredita que a Binter vai regressar e que o Governo da República “será sensível às preocupações”

 

Ainda antes da publicação do esclarecimento da companhia aérea Binter, revelando que aguarda definições dos Governos, regional e nacional, para regressar o mais rapidamente à linha do Porto Santo, o presidente da Câmara da ilha dourada tinha vindo a público afirmar que “está em causa a mobilidade dos porto-santenses e o princípio constitucional da continuidade territorial e a liberdade de circulação de pessoas e bens”. Para o autarca “o Porto Santo não pode ficar sem ligações aéreas”.

Idalino Vasconcelos revela que a Câmara “tem estado em permanente contacto com o Governo Regional da Madeira, nesta matéria e transmitido as suas preocupações e solicitará os devidos esclarecimentos, pelos canais oficiais ao Ministério responsável, bem como à companhia aérea”.

Afirma acreditar que “a companhia aérea quer cumprir o seu contrato com o Governo da República e entendemos os constrangimentos no espaço aéreo espanhol, devido ao estado de emergência naquele país vizinho. Acreditamos, certamente, que a Binter vai retomar as operações aéreas assim que as condições o permitirem, garantindo a segurança e a saúde dos seus passageiros”.

Entende Idalino Vasconcelos que “não temos outra alternativa aérea à mobilidade e que o Governo da República será sensível às nossas preocupações e resolverá esta questão de extrema importância, promovendo pelo cumprimento do contrato e apresentará medidas compensatórias para os porto-santenses e para a frágil economia local. É isso que se espera da República”.