Candidato à liderança do PS-M critica “inação” do partido que vive de “fogachos” e sem “norte”

O candidato à liderança do PS-Madeira, Carlos Jardim “diverge” da estratégia atual do partido que se limita a elogiar as medidas tomadas pelo Governo Regional para mitigar a propagação do coronavírus e ajudar a economia e as famílias.

“Não me conformo com esta inação que vive o PS Madeira. Não é este o Partido que vi, acompanhei e para o qual trabalhei nestes anos todos. Vivemos um momento crucial na nossa vida coletiva, passando por tormentos e desafios que nos pareciam impossíveis há dois meses atrás e o melhor que o PS tem para dizer é que apoia o Governo Regional nas decisões que toma?!?”, pergunta.

E dá a resposta: “Não é isto a política. Ação política é compreender os desafios que vivemos e indicar o caminho que temos de seguir, de acordo com os nossos princípios. Vejo um Partido que vive de “fogachos” a períodos e que perdeu o seu norte na política regional”.

“Acredito que o Partido Socialista e os seus militantes podem e devem dar mais a uma sociedade que se comportou de modo exemplar nesta pandemia, tomando a liderança de sacrificar os rendimentos individuais e se submeter a uma quarentena voluntária que foi fundamental para conter a sua difusão na região”, escreveu na sua página do facebook.

“Com pena vi que o Partido Socialista pouco ou nada disse que contribuísse para o encontrar de soluções. Candidato-me a Presidente do Partido Socialista Madeira porque acredito noutro PS Madeira”, rematou.