Secretaria da Agricultura responde à ABAMA e às “críticas injuriosas” da mesma

foto de arquivo

A Secretaria Regional da Agricultura e Desenvolvimento Rural emitiu uma resposta ao comunicado da ABAMA, dizendo que a Empresa de Gestão do Sector da Banana (Gesba), que é tutelada por esta Secretaria, “voltou a ser alvo de críticas por parte da cada vez mais isolada Associação de Produtores da Banana  da Madeira (ABAMA), que insiste em dar sinais de vida sempre que se aproximam momentos de decisão política, como é o caso da discussão do Orçamento Regional, que será debatido no decorrer da próxima semana”.

“Invariavelmente, a ABAMA não apresentou nada de novo, apenas um rol das críticas do passado, somente com o propósito de tentar desestabilizar o sector, através de apreciações sem sentido e que são facilmente rebatidas e desarmadas com a transparência, números e dados que provam a superior gerência da Gesba”, refere a SRADR.

“Conscientes de que a tentativa da ABAMA no sentido de ressuscitar as cooperativas, que pagavam aos produtores a seis meses, quando o faziam, e cujas dívidas foram assumidas e liquidadas pela Gesba, será sempre um propósito de cada comunicado que emite, gostaríamos de alertar a opinião pública para o crescimento sustentado da produção de banana, que em 2009 era de cerca de 13 mil toneladas e que no ano passado ascendeu as 21 mil toneladas. Um aumento de 54% que é revelador da confiança que os produtores têm no sector e que contraria a ideia avançada de que estão a desistir e a abandonar terrenos”, refere o Governo Regional.

“Por si só, estes números seriam suficientes para arrumar as críticas infundadas, maliciosas, com propósitos políticos de difícil entendimento. No entanto, há mais dados que sustentam o trabalho que tem sido desenvolvido pela Gesba, nomeadamente o aumento muito acentuado na produção banana Extra, que em 2919 representou 74% da produção, batendo o melhor registo que era de 68%, a renovação do seguro de colheitas coletivo, em 185 mil euros, ou a distribuição novamente dos fatores de produção, em 727 mil euros”, diz o comunicado governamental.

Para além destas medidas, invoca a Secretaria com a pasta da agricultura, a Gesba renovou os referenciais de qualidade (ISO22000 segurança alimentar, Global Gap e GRASP), em Abril do ano passado fez também um pagamento excecional de 0,04€/kg produzidos em 2018, valor que ascendeu a 670 mil euros, e estará a realizar investimentos, que visam dotar a empresa de meios no sentido de aumentar a qualidade da banana e a formação junto dos produtores.

“Perante estes dados, comprovados e escrutinados, são facilmente contrariadas as injuriosas críticas apresentadas pela ABAMA, que apenas demonstram a contínua perda de credibilidade de um organismo que não se liberta do passado”, conclui a nota enviada às Redacções.