“Liceu” cumpre a tradição da Bênção das Capas com Paula Cabaço como madrinha dos estudantes

Centenas de estudantes da Escola Secundária Jaime Moniz vivem hoje um dia memorável no seu percurso escolar, cumprindo assim a tradição da Bênção das Capas. Sem aulas, vestidos a rigor e cheios de entusiasmo e vivacidade, assim se escreve hoje uma nova página na vida dos estudantes para mais tarde recordar. Todos eles a um passo de dizer “adeus” ao ensino secundário e entrar no ensino superior.

A madrinha, Paula Cabaço, a professora Fátima Marques, e o presidente da Comissão de Finalistas, António Caires.

A festa maior dos finalistas do Ensino Secundário é um acontecimento profundamente simbólico e até mesmo histórico. Há 130 anos, o Ministério do Reino, através da Direção Geral da Instrução Pública, mediante Despacho de 09/02/1889, instituiu o uso facultativo de capa e batina aos alunos do Liceu. Desde então, é uma tradição que se tem vindo a assinalar ao longo dos anos, com os finalistas do ensino secundário a viverem um dia memorável no seu percurso escolar. Tudo começou no “Liceu” e o exemplo foi seguido pelos demais estabelecimentos do ensino secundário da Região. Há que salientar que esta é uma tradição que só acontece na Madeira.

Esta

Depois das fotos na Escola Secundária Jaime Moniz, seguiu-se o tradicional cortejo pelas ruas da cidade, sempre acompanhado pela população, até à Sé Catedral para a cerimónia religiosa, presidida pelo Bispo da Diocese, D. Nuno Brás. Paula Cabaço, atual presidente do conselho de administração da APRAM, é a madrinha dos finalistas.

Ana Isabel Freitas, presidente do conselho executivo da ESJM, (à direita), com a professora Fátima Marques e os jovens estudantes finalistas.
No Largo Jaime Moniz, a azáfama foi grande, com as famílias a participarem nesta festa.