A Caixa, portuguesa, com certeza!

A Caixa Geral de Depósitos está assim: em média, uma hora de atendimento por cada cliente.

O banco do Estado corta cada vez mais nos recursos humanos e coloca de serviço, no período de almoço, apenas dois funcionários dos seus sete guichets de atendimento ao público. Resultado, se cada cliente demora em média uma hora para ser servido, imagine-se a capacidade de resposta daquela que é a instituição nobre da banca. Justamente no período entre as 12,30-14hs, quando o cidadão está livre do trabalho para recorrer ao banco, os poucos funcionários que existem também vão ao almoço (apesar do fecho interno do banco pelas 15 horas).

Numa lógica de racionalização espartana de custos a nível interno e de gastos à tripa forra com os vencimentos dos seus administradores de topo, o serviço que está a ser prestado pela CGD já conheceu dias melhores.

Resta invocar, com evidente sarcasmo, o slogan da máquina de comunicação da CGD “A Caixa. Portuguesa, com certeza”.