Leia aqui as principais conclusões do III Congresso de Turismo da AICA

Terminou o III Congresso Internacional de Turismo da AICA.

Eis algumas das conclusões do III Congresso:

1º Painel – Impactos das Alterações Climáticas nos Territórios Turísticos

Seria importante que as estratégias nacionais e regionais no âmbito do turismo, possam reconhecer o clima como um recurso valioso para a maioria dos produtos turísticos da região e entender as mudanças climáticas como uma ameaça para o desenvolvimento desses produtos turísticos.

É importante que qualquer destino turístico disponha de informação climática mais concisa, cujo objetivo é produzir e divulgar produtos de informação personalizada a partir dos dados climáticos. A tomada de medidas e estratégias para promover o clima como um recurso turístico de excelência será cada vez mais determinantes no futuro deste setor.

As Relações Sociais e Patrimoniais e o Turismo

A monotorização da afluência de turistas aos monumentos terá de existir como forma de manter um equilíbrio sustentável do destino.

A relação património e turismo são essenciais e deve ser considerada, cada vez mais no futuro como uma relação estratégica, assumida e desejada por quem tem a responsabilidade de gerir os territórios turísticos.

O turismo é uma das atividades que mais tem estimulado o contato intercultural entre pessoas, grupos e povos às diversas escalas geográficas.

Os estudos de investigação na área do turismo cultural são fundamentais para determinar o peso que este tipo de turismo tem num determinado destino e os aspetos positivos e negativos que provocam no território.

O Marketing e os Transportes no Turismo

O futuro do turismo é muito incerto e 2020 irá com toda a certeza apresentar-se como um ano complicado e acima de tudo muito distinto dos últimos anos, em que o crescimento turístico se fez sentir um pouco por todo o mundo.

É importante perceber que a simbiose perfeita entre o marketing responsável e a sustentabilidade de um destino turístico só resulta se estes destinos estiverem preparados em termos sociais, ambientais e económicos, mediante uma aposta em: i) destreza tecnológica aplicada ao turismo que lhe forneça inovação, criatividade e espirito empreendedor; ii) renovação dos modelos de negócio mais adequados, comunitários e altruístas; iii) segurança, um dos fatores primordiais na decisão da escolha do destino pelo visitante; iv) boa relação qualidade-preço que evite assimetrias locais e que atraia um conjunto heterogéneo de turistas; v) atividades turísticas com serviços mais singulares, desenhadas mediante um conjunto de normas e éticas `sustentáveis´; vi) formação da mão-de-obra e dignificação dos trabalhadores do turismo, que ajude a adquirir o prazer no que fazem e o transmitam ao cliente; vii9) e, por fim, o mais importante, atribuir a maior importância às pessoas.