Rui Barreto diz a Paula Cabaço que há que prevenir e não (tentar) remediar, a propósito das últimas notícias sobre a Thomas Cook

O dirigente do CDS, Rui Barreto, veio reagir às mais recentes notícias sobre o sector do turismo regional, nomeadamente a ameaça de colapso que impende sob a Thomas Cook. “A queda de 4% no sector do turismo em quase todos os indicadores, com particular destaque para a descida no número de dormidas e redução dos proveitos, volta a fazer soar as campainhas. A estes dados negativos e em contra-ciclo com o que se passa a nível nacional, onde há a registar uma subida no número de entradas de turistas, junta-se uma outra notícia negativa: a provável falência da Thomas Cook, o gigante operador britânico”, refere uma nota dos centristas.
A possível falência da Thomas Cook lança novamente a incerteza nos agentes turísticos da Madeira, salienta o CDS. “Aquilo que é responsabilidade do Governo Regional é trabalhar afincadamente para atrair novas companhias e novos operadores, não se limitando a reagir – quando o faz e hoje, nem isso fez -, devendo antes de tudo, agir. Por isso é que reafirmo: urge uma política de promoção mais activa, mais ágil, com maior investimento público e com maior envolvimento dos privados. Quem coloca a cabeça na areia são as avestruzes e normalmente, sem bons resultados. A Sra. secretária deveria saber isso. Há que prevenir, Sra. secretária, não apenas (tentar) remediar”, diz Rui Barreto.