Élvio Sousa denuncia “injustiças laborais” para quem aufere o salário mínimo

JPP 3 de setembro ANuma ação do JPP, ao final da tarde em Machico, Élvio Sousa, candidato do JPP, referiu-se às injustiças laborais que tem afligido muitos trabalhadores que auferem do salário mínimo regional, nomeadamente os assistentes operacionais e os assistentes técnicos de vários setores de atividade, tais como os da saúde, da educação, do ambiente, dos apoios aos idosos e de outros serviços.

“O nosso papel, enquanto Movimento Juntos Pelo Povo (JPP), é o de estar contra as flagrantes injustiças e ao lado daqueles trabalhadores que têm entre 15 a 20 anos de carreira, mas que auferem um vencimento base próximo a quem entra inicialmente no mundo laboral, muito próximo ao salário mínimo regional, ou seja, 615 euros. O Governo Regional preocupa-se com o descongelamento de uns trabalhadores, com mais instrução académica, mas ignora por completo outros, menos organizados e mais desprotegidos, uma completa e total injustiça para com todos os trabalhadores, criando situações de grande disparidade.”

Note-se, entretanto, “que com salários baixos e com o consequente aumento do custo de vida, causado pela má gestão do PSD dos dinheiros públicos, os cidadãos em geral e os trabalhadores com baixos salários, vêm-se confrontados com os produtos mais caros do que os praticados no Continente e com o aumento dos custos dos serviços (luz, água, gás), após o PAEF.”

Regionais 2019

O candidato e cabeça de lista do JPP anunciou que “a proposta do JPP, neste setor, será a da valorização profissional, o aumento progressivo, a atenção gradual, o aumento do salário mínimo regional e o corte das despesas do “palácio do governo regional”, que tem muitos cargos de nomeação para pagar (24 milhões ao ano); muitas empresas do sector público e a transferência de muitos milhões, inclusivamente para práticas que não trazem retorno económico para a Região”.