SRIAS divulga dados do INE para dizer que a taxa de desemprego na RAM é o mais baixo desde 2011

Uma informação divulgada pela Secretaria Regional da Inclusão e Assuntos Sociais dá conta de que de acordo com as estimativas do INE para o mercado de emprego, divulgadas esta manhã, a taxa de desemprego no 2.º trimestre de 2019 na Região Autónoma da Madeira é de 6,9%, o valor mais baixo desde o início da série estatística em 2011. Este valor representa uma diminuição acentuada de -1,4 pontos percentuais relativamente ao 2.º trimestre de 2018, e uma variação de -0,1 p.p. face ao trimestre anterior.

Esta evolução, diz a SRIAS, decorre do forte decréscimo da população desempregada cuja estimativa do INE aponta para um valor de 9,5 mil pessoas na região, numa variação de -15,1% face ao trimestre homólogo, com menos 1,7 mil desempregados.

Simultaneamente, verificou-se um crescimento acentuado da população empregada, que se fixou em cerca de 128,9 mil pessoas, mais 5,1 mil pessoas empregadas face ao trimestre homólogo (+4,2%), com maior impacto no sector da “Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca”, com um aumento de 2,1 mil (+16,5%), enquanto que a Indústria e os Serviços apresentam variações de 6,6% (+1,1 mil empregados) e +2,0% (+1,9 mil empregados).

No conjunto das 7 regiões, os Açores apresentam a taxa de desemprego mais elevada com um valor de 8,2%, seguida da Área Metropolitana de Lisboa com 7,1%.

A Madeira apresenta a maior descida face ao 2º trimestre de 2018, destacando-se das demais, -1,4 pontos percentuais. Em sentido contrário, o Algarve, uma região também muito marcada pela actividade turística, registou uma subida de 1,4 p.p.. Em média global, a taxa de desemprego do país fixou-se nos 6,3%, numa redução de 0,4 p.p. face ao 2º trimestre de 2018.

Quanto ao desemprego jovem a região apresenta um valor de 26,3% no final do 2º trimestre de 2019, com uma evolução favorável face ao trimestre anterior, que foi de 28,0%.

Quanto ao desemprego de longa duração, o INE/DREM estima que existiam cerca de 6 mil desempregados à procura de emprego há 12 ou mais meses, no 2º trimestre de 2019. Este volume corresponde a menos cerca de 600 pessoas do que no trimestre homólogo, com a respectiva taxa de desemprego de longa duração a passar de 4,9% no 2º trimestre 2018 para 4,4% no trimestre atual (-0,5 pontos percentuais).