“Ninguém fica para trás” é iniciativa da Juventude Socialista para a área social

JS iniciativa 30 de julho BA JS Madeira visitou o Centro Social e Paroquial de Santa Cecília, em Câmara de Lobos, uma Instituição Particular de Solidariedade Social, que atua junto da população local, em particular com os jovens do Bairro da Palmeira. A estrutura de juventude deu início, assim, ao seu roteiro “Ninguém fica para trás”, com o objetivo de visitar várias instituições sociais que trabalham diariamente no terreno, junto dos mais jovens, em situação de risco e comportamentos desviantes, menos favorecidos, contribuindo assim para uma maior justiça social.

Para a JS Madeira, “estas instituições são essenciais na atuação junto da população menos favorecida, substituindo muitas vezes o Governo Regional. Disponibilizam diversas valências essências ao desenvolvimento social e económico, e dão respostas aos problemas da sociedade. Devem atuar em paralelo com o Estado, neste caso o Governo Regional, que devido à sua proximidade local têm uma maior eficácia. No entanto, para os jovens socialistas, o Governo Regional não pode descartar-se da sua responsabilidade e não atuar, como muitas vezes acontece, e sobrecarregar estas mesmas instituições, que por vezes são as únicas que atuam, na maior parte das vezes, sem os recursos humanos, materiais e necessários para fazer face a todos os problemas existentes”.

É por isso que, para Olavo Câmara, presidente da JS Madeira e candidato à Assembleia da República, “a medida hoje anunciada pelo candidato do Partido Socialista Madeira ao Governo Regional da Madeira, Paulo Cafôfo, em defender a devolução de 50% do IVA às IPSS, vem ao encontro dos muitos problemas que estas instituições enfrentam, nomeadamente a falta de financiamento para dar seguimento ao seu fim, reforçando assim os meios e os apoios às instituições e, em consequência, permitir um maior alcance das próprias. Para Olavo Câmara, “a aposta no social tem de ser uma prioridade para ninguém ficar para trás. Precisamos de ter meios e medidas para compensar algumas fragilidades que a sociedade apresenta”.