CDU diz que trabalhadores “não podem confiar em quem os trai”

A CDU realizou hoje uma acção de contacto com os trabalhadores da Câmara Municipal do Funchal, na Estação dos Viveiros. Ocasião para Herlanda Amado sublinhar a degradação das condições de trabalho, como factor que fomenta problemas sociais, como a pobreza e a exclusão social. “Vivemos numa época onde a instabilidade laboral condiciona a vida das famílias e a precariedade do vínculo laboral tem afectado cada vez mais trabalhadores”, denunciou. “É necessário inverter esta realidade, garantindo que a cada posto de trabalho permanente corresponde um vínculo laboral efectivo. É preciso inverter a lógica de que em nome da competitividade e do lucro vale tudo”.

A CDU acusa assim o Governo (PS) e a maioria parlamentar (PSD e CDS) de avançarem com medidas que “são um atentado aos direitos de quem trabalha, ao mesmo tempo que rejeitaram propostas apresentadas pela CDU, que seriam determinantes para inverter a legislação laboral em benefício dos trabalhadores”.

Por outro lado, diz, não se pode confiar em quem trai os trabalhadores, “porque agora em clima de campanha eleitoral, PS de Paulo Cafofo, PSD de Miguel Albuquerque, prometem que vão fazer tudo apenas para garantir o voto, mas no momento de aprovar medidas que beneficiariam os trabalhadores, juntam-se e votam contra. Os trabalhadores não podem confiar naqueles que os enganam e traem com sorrisos e palavras mansas”, apontou.

“Ao contrário do PS, PSD e CDS, a CDU coloca como emergência nacional a valorização do trabalho e dos trabalhadores, o aumento geral dos salários, em particular do salário mínimo nacional para 850 euros, e um combate sem tréguas à precariedade, com o objectivo de que, para um posto de trabalho permanente exista um vínculo efectivo. A CDU conta com os trabalhadores, com a sua luta e com o seu voto, para dar mais força a quem sempre esteve está e estará ao lado ao seu lado”, declarou.