Amílcar Gonçalves critica “capricho” da Câmara do Funchal e acusa Autarquia de estar a impedir as obras nas ribeiras

davdavO secretário regional dos Equipamentos e Infraestruturas não poupou críticas à Câmara do Funchal pelo estado em que se encontram, ainda, as ribeiras do Funchal. Diz que a responsabilidade é da Autarquia e que o Governo já poderia estar em obra na Ribeira de João Gomes e no troço final da Ribeira de Santa Luzia. “Um capricho e uma birra”, diz Amílcar Gonçalves.

A posição do governante ocorreu hoje durante a visita às obras de reconstrução e regularização da ribeira de Santa Luzia, uma empreitada de 14 milhões de euros. Hoje, o secretário regional dos Equipamentos e Infraestruturas, visitou os trabalhos respeitantes ao troço delimitado pela Ponte da Rampa dos Viveiros e a zona de acesso à Fundoa de Cima.

Amílcar Gonçalves considera a obra determinante para a segurança da cidade. “Trata-se de uma intervenção muito importante, que deverá ficar concluída em meados ou finais do próximo ano”, recusando ligar as obras à proximidade de eleições, diz até que “estas caraterísticas de obras não se coadunam com prazos eleitorais, são obras que visam a segurança das pessoas e por isso até defendo que deveriam obedecer a pactos de regime, uma vez que são obras essenciais”

O governante lembra as situações “complicadas com a classificação das muralhas, que continuam lá e é uma birra. Os muros continuam com mau aspeto na Ribeira de João Gomes e estamos com dificuldades para resolver o problema de engenharia. Nem é uma questão de património, é uma birra e um capricho. E quem no fundo sofre com estass contingências são os funchalenses que deviam ter as suas ribeiras em condições e não as têm”.

Amílcar Gonçalves, num claro posicionamento crítico para com a Câmara do Funchal, aborda a situação do troço final da Ribeira de Santa Luzia, dizendo que “já devíamos estar em obra, aproveitando o verão onde há menor perturbação de trânsito. A Autarquia continua com uma postura arrogante e não permitir a entrada em obra, designadamente não aprovando o condicionamento de trânsito que solicitamos”.

O secretário alerta que as questões de segurança, de engenharia, têm a ver com a segurança das pessoas. A Ribeira de João Gomes já poderia estar em obra, o troço final da Ribeira de Santa Luzia também. “Nós vamos manter os muros, mas é preciso não haver fundamentalismos”.