Geossítio Fonte da Areia ao abandono no Porto Santo

Fotos Artur Nunes, facebook.

Antigamente ninguém ia ao Porto Santo sem passar pela Fonte da Areia, a norte da ilha. Era um ponto de visita obrigatório.

Hoje, o espaço está degradado.

Aliás, a passagem para o miradouro encontra-se condicionada. O geossítio alerta que a visita ao local de interesse geológico é da inteira responsabilidade do utilizador que deve tomar as devidas precauções quando visita o local, tendo em atenção as condições  do terreno, condições climatéricas e outros perigos, para que não se criem situações que coloquem a sua integridade e a de outros em risco.

A Fonte da Areia é dominada por depósitos quarternários, nomeadamente por depósitos da Formação Eolianítica, representados pelos arenitos biogénicos carbonatados mais antigos da ilha, com cerca de 31 mil anos.

Tratam-se de areias marinhas na sua larga maioria constituídas por fragmentos de conchas de moluscos, de placas e espículas de equinodermes, algas calcárias e foraminíferos, remobilizadas da plataforma insular existente em torno da ilha, e que sofreram transporte essencialmente do vento até aos locais de deposição.

Segundo os estudiosos, a geração destas areias marinhas remontam à última glaciação, período Wurm, que decorreu entre os 110 e os 11 mil anos.

Observam-se, ainda, finas camadas de calcário pouco coerente que correspondem a crostas calcárias, denominadas localmente por laginhas de cal.