Paula Cabaço garantiu ontem que economia regional está “dinâmica”

A governante com a pasta do Turismo e Cultura, Paula Cabaço, foi ontem elogiar a “dinâmica” da economia regional no encerramento do evento promovido pelo banco Santander, “Mais Próximo das Regiões”, que colocou a “Box Santander Advance Empresas” na Praça do Município durante três dias.

Paula Cabaço repetiu o discurso recorrente do Governo Regional, que invoca um crescimento da economia regional há 70 meses consecutivos, novas apostas empresariais e o facto da Madeira ter atingido a taxa de desemprego mais baixa desde há uma década, na ordem dos 7%.

Na sua intervenção, Paula Cabaço assegurou que há um “clima de confiança” por parte dos investidores, evidente nos resultados conhecidos quer ao nível da criação de empresas, quer do ponto de vista do consumo das famílias.

“Ao longo dos últimos quatro anos, foram criadas 3.096 empresas, o que significa um saldo positivo de 1.037 novos projectos empresariais, neste período”, frisou, realçando ainda o crescimento, em 2018, das exportações, em cerca de 54%, assim como o facto de a Madeira ter atingido, no ano passado, a melhor taxa de cobertura entre exportações e importações. O consumo das famílias, associado à rede multibanco, registou um crescimento recorde de 18% face a 2015, garantiu ainda.

Paula Cabaço considerou estes aparentes resultados decorrentes “das políticas acertadas que têm vindo a ser promovidas, pelo Governo Regional”, nomeadamente o apoio em continuidade ao tecido empresarial, com mais de 76 milhões de euros pagos às empresas entre 2016 e maio de 2019, mas, também, a redução da carga fiscal, tanto do IRC e do IRS, redução que, neste último caso (IRS), permitiu uma devolução de 37 milhões de euros às famílias madeirenses e porto-santenses, entre 2016 e 2019″.

Já no Turismo, a governante realçou o facto de a Madeira continuar a ser “um destino reconhecido, nacional e internacionalmente”, lembrando os diversos prémios internacionais que têm vindo a ser arrecadados e destacando, igualmente, a confiança existente no sector, evidente na criação e requalificação de empreendimentos turísticos, mas, também, no surgimento de novas empresas de animação, que complementam e valorizam a nossa oferta.