Mais Porto Santo desafia Governo a fazer passar o navio Armas pelo Porto Santo

“Uma vez que o Governo Regional vai voltar a assumir, sem preconceitos ou responsabilidade, o custo de um ferry deficitário entre o Funchal e Portimão, com preços grotescos comparativamente ao custo de uma viagem marítima entre a Madeira e o Porto Santo, desafiamos o Executivo madeirense no sentido de que esse mesmo ferry, ao que tudo indica da Naviera Armas (Volcan de Tijarafe), faça escala no Porto Santo, como forma de minimizar a concorrência desleal que vai voltar a promover contra os porto-santenses.

Este é o desafio que o movimento Mais Porto Santo, através do seu líder José António Castro, faz ao Governo Regional, além de defender a possibilidade de se estender o Subsídio Social de Mobilidade entre as ilhas aos três meses de Verão, como forma de equilibrar a balança e não prejudicar a economia da Ilha Dourada durante este período, como aconteceu no Verão do ano passado.

“Para que uma viagem marítima entre a Madeira e Porto Santo não fique praticamente igual em relação a um trajeto entre o Funchal e o Porto Santo, que em 2018 foi de apenas um euro, até porque estamos em ano de importantes eleições, acreditamos que o subsídio de mobilidade de 25 euros pago aos residentes da Madeira como forma de esbater a sazonalidade e incentivar a economia do Porto Santo, será também uma realidade em Julho, Agosto e Setembro. Não queremos acreditar nem vamos aceitar que o Governo Regional fomente uma concorrência desleal ao Porto Santo, promovendo o pagamento de um ferry entre o Funchal e Portimão com preços absurdo, quando comparativamente com aqueles que são praticados pela empresa Porto Santo Line”, avisa o Vereador José António Castro, que teme que a procura pelo Porto Santo continue a diminuir face às apostas que estão em jogo.