“Mais um dia em que os doentes oncológicos não realizam exames, ninguém imagina a agonia de doentes e familiares”, revela Rafael Macedo que se apresentou ao serviço apesar da suspensão

Unidade de Medicina Nuclear fechada. Foto Facebook Rafael Macedo

O médico Rafael Macedo está suspenso de toda a atividade hospitalar até que seja concluído o processo disciplinar movido pelo SESARAM. Foi isso mesmo o que a presidente do conselho de administração do Serviço regional de Saúde anunciou, em conferência de imprensa, na semana passada, confirmando que os exames seriam retomados assim que estivessem reunidas condições de serenidade para a confiança no serviço de Medicina Nuclear, que desde as denúncias do médico coordenador daquela unidade, primeiro na reportagem da TVI e depois em sede de comissão parlamentar de inquérito, tem andado no centro deo debate.

Hoje, Rafael Macedo compareceu ao serviço, desde as 8 horas da manhã, segundo refere o próprio na sua página pessoal da rede social Facebook, colocando a imagem da porta da Unidade de Medicina Nucelar encerrada. O médico diz: “Estou ao Serviço desde as 8 horas na Medicina Nuclear Pública. Mais um dia que os doentes oncológicos não realizam exames; ninguém imagina a agonia dos doentes e familiares que esperam e desesperam. Além de perdermos hoje mais de 600 euros de atividade clínica que deveria estar programada. Continua o assédio moral e um atentado às finanças públicas. “Isto afeta drasticamente a vida do doente oncológico”, Prof. Dr. Durval Campos Costa, F. Champalimaud”.

Em dois outros “post”, tem as frase “Já não posso fazer o meu trabalho” e “”trocaram a fechadura do meu gabinete de trabalho. Tenho bens pessoais lá dentro”.

Recorde-se que esta polémica à volta do funcionamento da Unidade de Medicina Nuclear, com Rafael Macedo a denunciar eventuais benefícios do privado em prejuízo do serviço público, está a ser debatida no Parlamento Madeirense, através da comissão de inquérito parlamentar sob a presidência de Fernanda Cardoso. Hoje, serão ouvidos o especialista Pedro Costa Neves, a partir das 9.30 horas, o diretor do serviço de Ginecologia/Obstetrícia do SESARAM, Joaquim Vieira, pelas 14.30 horas e diretor do serviço de Cardiologia, António Drumond, pelas 16 horas.

Entretanto, o SESARAM deu a conhecer, também na passada semana, que a Unidade de Medicina Nucelar vai funcionar com o serviço assegurado por duas médicas vindas do Continente, sendo que o médico Mário Rodrigues revelou que aquelas profissionais vinham na sequência de um protocolo assinado com os Hospitais da Universidade de Coimbra.