MPT acusa CMF de integrar “amigos” do PS e não trabalhadores precários

O MPT Madeira questiona publicamente a transparência da integração de novos elementos nos quadros da CMF “que de “precários” não têm nada”. O partido afirma ter tido conhecimento de que “muitos destes elementos são funcionários ao serviço do Partido Socialista que está a utilizar a Câmara Municipal do Funchal como base de recrutamento para colocar os seus “amigos” como prémio pelas suas boas acções prestadas ao Partido”.

Daí que o MPT se interrogue quanto à transparência deste processo de integração dos precários, “quando é do conhecimento geral que por exemplo as vagas para “Design e Artes Plásticas” foram ocupadas por elementos, que são muito chegados ao executivo autárquico, como se pode constatar através das redes sociais e alguns dos membros do júri desse concurso são os ex-orientadores dessas pessoas, o que coloca em causa a idoneidade do concurso, e sabemos que Técnicos Superiores deste Departamento, desencorajaram outros estagiários a concorrer a esta vaga por já ter “dono”,  e por consequência estes novos elementos, foram altamente beneficiados pelos critérios subjectivos da fase de entrevista, onde se pode verificar que estes foram fortemente alavancados para ficarem nas duas primeiras posições”, afirma esta força política.

Também para o MPT, a Frente Mar continua a ser a rampa de lançamento dos amigos da CMF. “Como é possível observar, foram integrados neste concurso colaboradores da Frente Mar, será uma coincidência?”, pergunta o partido dirigido na Madeira por Roberto Vieira, que acusa o actual presidente da Câmara Municipal do Funchal “de continuar a usar e a abusar do seu cargo na autarquia, para fazer a sua campanha eleitoral rumo à Quinta Vigia e fica muito bem para encher as capas dos jornais(…)”.