Jornadas EcoZarco debatem oceanos e biodiversidade marinha


Sob o tema “Uma ilha, um oceano – proteger para valorizar”, tiveram início, esta sexta-feira, as VIII Jornadas EcoZarco. Uma formação dinamizada pelo Departamento Eco-Escola da Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco, com o apoio do Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE).
Destinada a professores de todos os grupos e áreas disciplinares, a iniciativa continua amanhã e no próximo dia 23 de março, com a presença de vários especialistas convidados.
Literacia marítima, aquicultura, biodiversidade marinha da Madeira, plásticos e oceanos são alguns dos temas em debate este sábado, encerrando com um fórum de professores e a definição de um plano de ação a desenvolver pela comunidade escolar.
No próximo dia 23 de março, os participantes realizarão duas saídas de campo: visita ao Museu da Baleia, no Caniçal, durante a manhã, e viagem de catamarã (guiada) à exploração de aquicultura (jaulas flutuantes) na Ribeira Brava, durante a tarde.
Durante esta sexta-feira, debateram-se a influência dos oceanos na vida do planeta com o investigador Thomas Dillenger, da UMa, bem como a “Economia Azul na RAM – o potencial estratégico do mar”, com o contributo do especialista Manuel Ara Oliveira, da Direção Regional Ordenamento Território e Ambiente.
Foram dados a conhecer alguns projetos com vista à preservação da biodiversidade marinha na Região: o recife artificial CORDECA e o Mare (Centro de Ciências do Mar e do Ambiente), cujo responsável, João Canning Clode, apresentou “O problema global do lixo nos oceanos: impactos em ecossistemas marinhos e a sua Investigação na RAM”.
As jornadas EcoZarco constituem um momento de reflexão e de sensibilização para a importância dos oceanos e para a necessidade de salvaguarda da biodiversidade marinha.