Porto Santo paga a luz e a água mais caras do País, denuncia José António Castro

O Mais Porto Santo critica os preços praticados pela EEM na ilha.

O movimento Mais Porto Santo denunciou, publicamente, os preços que continuam a ser praticados pelas empresas de Electricidade da Madeira e Águas e Resíduos da Madeira, “que constituem em verdadeiro atentado ao bolso dos porto-santenses”. “É lamentável que no Porto Santo se continue a pagar a luz e a água mais cara do País, provavelmente de toda a Europa, sem que ninguém ponha cobro a este abuso de poder, lutando pelos direitos dos porto-santenses. Ainda no último mês de Fevereiro estas duas empresas fizeram os habituais acertos de contas e, uma vez mais, os valores exigidos são incompreensíveis”, acusa o Vereador José António Castro, que pede as intervenções dos governos da Madeira e da República, no sentido de que esta situação seja reparada.

Para que esta situação seja minimizada, o movimento de cidadãos independentes espera que a Empresa Electricidade da Madeira conclua urgentemente o projeto que está a desenvolver e “que ajudará a combater o violento ataque aos bolsos dos porto-santenses”.

“A EEM garantiu que iria colocar contadores inteligentes nas casas de todos os porto-santenses o que permitirá com que se acabem com as estimativas e que os porto-santenses deixem de pagar preços exorbitantes aquando dos acertos de conta. A faturação tem de ser feita na base do consumo real, sem estimativas para que as pessoas paguem justamente aquilo que consumem. Esperamos, por isso, que a EEM se digne a substituir o mais rapidamente possível os contadores nas casas particulares e também das empresas sem qualquer custo para os referidos consumidores, conforme prometido”, pede José António Castro.

Segundo um estudo feito pelo Mais Porto Santo qualquer cidadão que tenha uma casa no Porto Santo paga mensalmente só de taxas, mesmo tendo os contadores da luz e da água desligados, cerca de 25 euros. “Isto é uma vergonha. São 300 euros por ano só em taxas, sem qualquer tipo de consumo. Assim é complicado investir numa casa de férias no Porto Santo e assim se explica, também, que existam centenas de imóveis à venda na nossa Ilha”, conclui o Vereador.