Rafael Macedo não vai comparecer à reunião de hoje na Ordem dos Médicos

O médico Rafael Macedo não vai comparecer, hoje pelas 17.30 horas, à reunião convocada pelo Conselho Médico Regional da Ordem, no sentido de uma abordagem sobre a polémica à volta da Unidade de Medicina Nuclear do SESARAM, que segundo o clínico, estará em situação de subaproveitamento, ao mesmo tempo que há serviços que poderiam ser prestados no público e que estão a ser canalizados para o privado, com consequentes custos acrescidos para a Região. Debaixo de “fogo” está o Serviço Público e o grupo Joaquim Chaves Saúde, proprietário da Quadrantes, envolvidos neste contencioso resultante da denúncia feita pelo clínico, responsável por aquele serviço, em reportagem da TVI, que motivou reações de várias proveniências, ao ponto de ter sido decidido constituir uma comissão parlamentar de inquérito no âmbito da Assembleia Reigonal.

A Ordem pretendia ouvir o médico sobre o assunto, como recentemente disse ao FN o presidente da OM na Madeira, Pedro Freitas, que salientava o objetivo de saber “a verdade do médico”, numa compilação de dados que envolvia a audição do conselho de administração do SESARAM e da Direção Clínica. Na altura, Rafael Macedo criticou o facto da convocatória registar “Exma Senhora Dra. Charl Rafael Macedo da Silva”, um tratamento no feminino que indignou o médico, adiantando que era a primeira vez, em 12 anos e meio como médico, que iria a uma reunião na Ordem. Dava a entender, pelo menos, que não iria até corrigirem a convocatória, além de referir que “até a morada é uma salgalhada”.

Hoje, em declarações ao Funchal Notícias e a duas horas da agendada reunião com a Ordem, Rafael Macedo esclarece que “como não recebi qualquer retificação da convocatória em causa, no mínimo desrespeitosa, e por nunca se terem interessado pela problemática publicada por dezenas de notícias públicas desde 2015, considero que não faz qualquer sentido a minha comparência a essa convocatória. Informo, ainda, que estou inscrito na Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos”.

Rafael Macedo diz que a Ordem dos Médicos “nunca foi solidária nem interventiva. Só porque saíu na TVI há interesse? Não faz qualquer sentido”.