Rafael Macedo só vai à comissão de inquérito se for aberta ao público e à comunicação social

Rafael Macedo diz que quer a comissão de inquérito aberta ao público e à comunicação social.

O médico que está no centro da polémica relacionada com a denúncia sobre o subaproveitamento da Unidade de Medicina Nuclear do Hospital Dr. Nélio Mendonça, ao mesmo tempo que se recorre aos privados para a feitura de exames, veio hoje tomar posição sobre o pedido de comissão de inquérito parlamentar assumido pelo PSD-M, visando o esclarecimento de toda a situação que envolve o serviço.
Rafael Macedo utilizou de novo a sua página da rede social Facebook para lançar o que diz ser um aviso: ” O PSD quer brincar às comissões parlamentares mas deixo aqui já o aviso: Só aceito estar presente numa comissão parlamentar se a mesma for aberta ao público e à comunicação social e de preferência em direto! O povo madeirense está farto de arranjinhos entre partidos e todos queremos transparência!”.
Neste mesmo dia, reagiu à presença, ontem, num debate na RTP, no qual estiveram presentes o antigo diretor regional dos Hospitais, Mário Rodrigues, e o antigo diretor clínico Eugénio Mendonça, além do representante da Joaquim Chaves Saúde e o presidente do Colégio de Especialoidade. Macedo reage, assim: “Sabia para o que ía. Se não interrompesse cada avanço de mentiras ou imprecisões montadas no sentido dedescredilizar passaria por mentiroso. Eles que publiquem as provas ou movam processos? Não o fazem. Se o fizerem é crime. A TVI nunca iria publicar nada que não tivesse prova. Vejam a IURD. Se não fosse o programa seria linchado publicamente com mentiras.”.