CDU aponta para “vidas suspensas” nove anos depois da aluvião de 20 de Fevereiro

A CDU desenvolveu na tarde de hoje uma iniciativa com algumas das famílias afectadas pelo 20 de Fevereiro de 2010, que aguardam por uma solução habitacional definitiva. No bairro da Cancela, onde ainda estão algumas famílias, a deputada municipal Herlanda Amado frisou que, passados 9 anos da aluvião que assolou a cidade do Funchal, “o processo de reconstrução arrasta-se, e em algumas das situações consideradas urgentes nada foi resolvido e tudo permanece igual”.

A CDU, referiu, tem denunciado um conjunto de intervenções que já deveriam ter sido concluídas, tendo em conta a necessidade de garantir a segurança de pessoas, bens e infraestruturas, mas a verdade é que ainda muito está por fazer.

“Muitas das famílias que viram as suas habitações destruídas e sem hipóteses de reconstrução ou recuperação, foram realojadas provisoriamente, mas sempre com a perspectiva de ser encontrada uma solução definitiva”, referiu. Porém, afirmou, “a verdade é que passados nove anos as famílias esperam e desesperam. No Bairro da Cancela, contactámos com algumas destas famílias que não se resignam à situação. Querem voltar para as suas casas, tentando recuperar a normalidade do dia a dia, que a intempérie de 20 de Fevereiro interrompeu”.

Os comunistas referem que foram anunciados pelas várias entidades que estiveram directamente ligadas a este processo, muitos milhões de euros para fazer face às necessidades identificadas nos vários relatórios que foram feitos à data.

“O que se exige do Governo Regional e da Câmara Municipal do Funchal, e depois dos vários diagnósticos e relatórios feitos, é que intervenham para que situações como estas não se prolonguem no tempo”, criticam.