CDU denuncia situações ainda por resolver nove anos depois do 20 de Fevereiro

A CDU visitou hoje localidades afectadas pela aluvião de 20 de Fevereiro de 2010, visando denunciar a “inércia” do Governo Regional e da Câmara Municipal do Funchal, na resolução dos problemas que ainda hoje afectam as populações destas localidades. No Poço do Morgado, localidade fortemente afectada pelo temporal de 20 de Fevereiro, o dirigente comunista, Ricardo Lume, considerou que nove anos depois da catástrofe que assolou a RAM, “muito ainda está por fazer, e existem zonas que deveriam ser prioritárias tendo em conta a necessidade de garantir a segurança de pessoas, bens e infraestruturas, mas que, infelizmente, ficaram esquecidas no tempo, praticamente abandonadas à sua sorte”.

No Funchal, na freguesia de Santo António, localidades como o Poço do Morgado, o Curral Velho, o sitio da Casa Branca, o Caminho dos Moinhos, o sitio dos Três Paus, continuam a necessitar de intervenções para garantir a segurança de pessoas e bens, asseguram os comunistas, que dão como exemplo a necessidade de sustentação das escarpas e até mesmo a consolidação das margens de linhas de água. Em muitas situações as obras de reconstrução foram feitas junto das estradas principais, deixando zonas de risco sem qualquer intervenção, algo que é bem visível no Ribeiro do Trapiche, refere a CDU.

Esta força política enfatiza que grande parte do que falta fazer em relação aos danos do referido temporal é, em primeiro lugar, da responsabilidade do Governo Regional (e do partido que o sustenta na Assembleia Legislativa Regional, o PSD) que “inverteu as prioridades, pois preferiu, em algumas situações, construir ou reconstruir o acessório em vez de se focar no fundamental”. Por outro lado, a intervenção nos cursos de água resultou na aplicação de um conjunto de técnicas de duvidosa eficácia e, em muitos casos, as intervenções estreitaram ainda mais as linhas de água, potenciando assim riscos em aluviões futuras, referiu Ricardo Lume.