CDS releva importância do programa de Apoio ao Acesso à Habitação

A vereadora do CDS na Câmara do Funchal, Ana Cristina Monteiro, considera “positivo” o “1.º Direito”, Programa de Apoio ao Acesso à Habitação com que a autarquia liderada por Paulo Cafôfo pretende responder às carências de habitação na cidade, recorrendo para o efeito a verbas do Fundo Nacional de Reabilitação do Edificado.

A autarca do CDS disse que “em virtude da falta de habitação para arrendamento, quer para os jovens que desejam iniciar uma nova vida, quer para os que revelam grandes carências económicas, é preciso apresentar soluções com rendas acessíveis e a preços razoáveis”, e nesse sentido destacou iniciativas do seu partido.

“Há dois anos apresentamos o programa de criação da Sociedade de Reabilitação Urbana, com capitais mistos, que prevê, precisamente, soluções para a habitação, com rendas acessíveis, programa que tem sido um sucesso em Lisboa e no Porto”, sublinhou Ana Cristina Monteiro.

A vereador do CDS entende que é preciso colocar a Sociedade de Reabilitação Urbana como mais um instrumento para ajudar a resolver a carência de habitação na cidade.

Esse documento, então apresentado pelo agora líder do CDS, Rui Barreto, preconiza a captação de verbas da autarquia e do IFRRU 2020 – Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbanas, com a Câmara a assumir o papel de entidade catalisadora entre proprietários, empresários e investidores, promovendo a reabilitação de edifícios degradados que depois de prontos podem ser colocados no mercado de habitação a rendas acessíveis, nomeadamente para jovens casais. Este envolvimento-público ajudaria ainda a criar riqueza, dinâmica económica e financeira e novos postos de trabalho.