Albuquerque diz que Costa está a “violar princípio de acordo” para o hospital e anuncia redução no custo dos passes sociais em 2019

Jornadas PSD Santana 2
Encerramento das Jornadas do PSD com fortes críticas ao Governo da República.

O presidente do PSD-Madeira foi hoje a Santana para estar presente na sessão de encerramento das Jornadas Parlamentares do PSD-Madeira, uma iniciativa que, segundo o líder parlamentar, Jaime Filipe Ramos, resultou, em termos de trabalhos, na perceção que o partido, que é governo, está a “exceder as expetativas relativamente ao cumprimento daquele que foi o programa eleitoral”.

“PSD cumpre”, “PSD vem numa linha de partido sério, que honra os seus compromissos”, foram tónicas avançadas por Jaime Filipe Ramos. E mais: o partido cumpre e o que não cumpre não é por sua responsabilidade, falando especificamente na questão do novo hospital. “É necessário que haja palavra. Queremos pessoas sérias na política. A palavra do primeiro ministro António Costa com a Madeira tem sido pouca, não cumpre”.

Já o líder social democrata, também não poupou o Governo da República, foi mesmo mais duro do que nas declarações proferidas ontem quando se soube que a resolução sobre o novo hospital, afinal, só tinha apoios de 30% do total dos custos. Hoje, em Santana, Albuquerque “atacou” o que disse ser “um embuste este governo da geringonça, a austeridade continua e aquilo que eram as expetativas relativamente ao governo, foram goradas. Se analisarmos 2017, foi este Governo que aplicou a maior carga fiscal aos portugueses, nos últimos 30 anos”.

Tudo isto para reafirmar que, na Região, foi o inverso: menos desemprego, crescimento económico, redução fiscal, devolução de 40 milhões de euros à população da Madeira. E muitas “conquistas”: ferry, avião cargueiro, subsídio de mobilidade no Porto Santo, entre outros “feitos”. E disse que o Governo irá fazer tudo para que o subsídio de mobilidade seja alterado de acordo com as expetativas dos madeirenses.

Sobre o Hospital, mais críticas à governação de António Costa, dizendo que “o princípio do acordo foi violado. Espero que o senhor primeiro ministro faça a retificação. Acho estranho que um primeiro ministro que vem a uma Região e diz que vai financiar o hospital em 50% e há uma resolução em que esse financiamento é inferior a 30%, há qualquer coisa que está errada. Ou o senhor primeiro ministro não leu a resolução ou está a violar a palavra dada, o que é gravíssimo num estado de direito democrático”.

Miguel Albuquerque anuncia que o Governo vai apresentar, no próximo ano, uma aposta na componente social, vai reduzir os passes sociais, urbanos e interurbanos, apoio às famílias das classes médias no pagamento das creches e garantir que, na Educação, as famílias vão contar com mais apoios”.