Professores da Jaime Moniz e da Horácio Bento de Gouveia participam num evento de formação do projecto IDiverSE – Islands Diversity for Science Education [2017-1-PT01- KA201-035919].

|AF|

Entre os dias 16 e 21 de Junho, um grupo de seis docentes da Escola Básica Dr. Horácio Bento de Gouveia (HBG) e da Escola Secundária Jaime Moniz(ESJM), participaram, na Escola Secundária Jerónimo Emiliano de Andrade (ESJEA), na  ilha Terceira, Acores, num evento de formação do projecto IDiverSE – Islands Diversity for Science Education [2017-1-PT01- KA201-035919].

A entidade coordenadora deste Projeto é o Núcleo Interativo de Astronomia (NUCLIO) e os parceiros são, para além das escolas já referidas, as instituições EllinogermanikiAgogi (Grécia), ABAE – Associação Bandeira Azul da Europa (Portugal), Universidade de Deusto (Espanha), Internacional Laboratory of Advanced Education Technologies (Reino Unido), Universidade dos Açores (Açores – Portugal).

O Projeto IDiversSE baseia-se na consciência da singularidade e valor das ilhas europeias. Pretende-se que, com o uso de pesquisas científicas reais, os estudantes possam descobrir o valor de sua cultura natural, enquanto que, com o uso das TIC, compartilhem suas descobertas com o mundo exterior, promovendo assim a riqueza das suas ilhas. Este projecto pretende trazer inovação ao ambiente escolar e abrir a escola à comunidade, nomeadamente com os Trilhos de Ciência (Science Trails) onde as pessoas terão a possibilidade de experimentar a ciência, através de actividades práticas e observar os fenómenos naturais que as rodeiam.

A investigação interdisciplinar e colaborativa, a cultura local, a etnociência e a geografia pessoal serão integradas para criarestes Trilhos da Ciência, onde os alunos explorarão seu ambiente natural a partir da Água, passando pela Terra e terminando com os Céus. Em conjunto, os resultados proporcionarão aos alunos uma visão holística dos fatores que influenciam suas vidas, como sua cultura, seu ambiente e suas condições geográficas. Trabalhando em cooperação com escolas de diferentes ilhas da Europa e do mundo, por meio de uma plataforma on-line, os alunos também perceberão que cada ilha tem uma rede diferente de influências criando uma diversidade que agrega valor e exclusividade à pátria de cada aluno.

O IDiversSE também significa “I Diverse” e, como tal, pretende incluir uma visão ainda mais profunda da Diversidade, integrando o mundo interno de cada aluno como único e precioso, promovendo a consciencialização sobre questões cívicas e éticas. No final, os Trilhos de Ciência ficarão disponíveis para a comunidade de cada ilha. O IDiverSE está de acordo com as principais competências definidas para o aluno do século XXI. Ao promover pesquisas científicas reais e atividades baseadas no Inquiry, desafia os alunos a tornarem-se mais independentes e proativos, desenvolvendo seu pensamento crítico e a capacidade de encontrar soluções para problemas. A cooperação internacional, promove o desenvolvimento de competências sociais e de comunicação, bem como a tolerância e o conceito de uma cidadania global.

Este Encontro proporcionou a todos os participantes diversas actividades, quer teóricas, quer práticas. Alguns dos temas foram: Diversity on Science Education, autonomy and curricular flexibility project in EJEA, Students´ Portfolio and Personal Geography, Inquiry and Interdisciplinary learning, Connecting Cultural References in ScienceTrails, 21st century skills assessment, Science on stage and OSOS (Open schools for open societies), Darwin’s trail in Terceira (Algar do carvão, Furnas do enxofre e Gruta do Natal), etc.

As sessões/conferências “Dive into deep sea”, proferida pela Professora Ana Martins da Universidade dos Açores e “The SSE School Seismographic Network and EducationalActivities”, proferida por Gerasimos Chouliaras, da Grécia, foram momentos altos deste Encontro.

Houve também uma sessão de esclarecimento sobre algumas questões financeiras com a Drª Augusta Alves da Agência Erasmus +.

O Projeto está dividido em duas grandes fases. Estão a ser preparadas as actividades que devem ser implementadas em sala de aula durante a primeira fase do projeto. Durante esta fase, os alunos de diferentes ilhas que implementam as mesmas atividades irão, de forma colaborativa através da plataforma globallab, comparar os resultados de suas pesquisas e tirar conclusões, garantindo o processo de investigação colaborativa.

A segunda fase do projeto será a criação dos Science Trails pelos alunos, nas suas ilhas, a fim de identificar os tópicos e as referências locais mais relevantes.

Foram dias intensos mas profícuos. O grupo de docentes da Escola Jerónimo Emiliano de Andrade foi inexcedível em todos os aspectos. Os vários parceiros e intervenientes conheceram-se todos pessoalmente e houve o esclarecimento de dúvidas sobre as actividades do projeto.

Ficamos então a aguardar as actividades que desenvolveremos com os alunos no próximo ano lectivo.

http://idiverse.eu