Corte de 1100 vagas no Ensino Superior em Lisboa e Porto já no próximo concurso de acesso

 

Universidade Nova de Lisboa
As universidades de Lisboa e Porto vão cortar 5% no número de vagas já no próximo concurso de acesso ao ensino superior.

É já no próximo concurso nacional de acesso ao Ensino Superior. As Universidades e os Politécnicos de Lisboa e Porto serão obrigadas a cortar 5% no número de vagas, de acordo com uma decisão do Governo da República. Ao todo, revela o jornal PÚBLICO, serão menos 1100 vagas.
De acordo com as informações veiculadas por aquele jornal, a versão final do despacho do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, deverá ser publicada hoje e prevê a redução em nove instituições, produzindo efeitos já no próximo ano letivo, sendo que o concurso de acesso começa a 18 de julho.

Relativamente a eventuais implicações para a Madeira, o responsável pelo Gabinete do Ensino Superior, João Costa e Silva, diz que é cedo para adiantar quaisquer dados sobre o assunto, remetendo para julho, altura em que ocorre a disponibilização de lugares para cada curso e, aí sim, verificar se haverá ou não influência para os alunos da Região.

A notícia aponta para a Universidade de Lisboa; Universidade Nova de Lisboa; ISCTE — Instituto Universitário de Lisboa; Instituto Politécnico de Lisboa; Universidade do Porto e Instituto Politécnico do Porto, bem como Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril e as escolas superiores de Enfermagem de Lisboa e do Porto, referindo que, em 2017, estas instituições disponibilizaram 22 mil lugares para novos alunos. Agora, serão menos 1100.
Segundo aponta o Expresso, também com base na notícia do PÚBLICO, ficam de fora destes cortes a Escola Náutica Infante D. Henrique, em Oeiras, e os cursos de Medicina e os de Física e Tecnologia Nuclear. “As restantes universidades do país podem aumentar em 5% os lugares disponíveis, preferencialmente em cursos nas áreas das ciências da vida, física, matemática, informática e engenharias”.