“Aqui Acolá” na Ponta do Sol com quatro dias em “cheio”, Mafalda Veiga e Dead Combo entre as atrações

Aqui AcolaOs Dead Combo, Mafalda Veiga, Mercedes Peon e Tânia Carvalho são alguns dos nomes que vão pisar os diversos palcos do Festival Aqui Acolá, que durante quatro dias promete animação e muitos visitantes na Ponta do Sol. O evento, lembra uma nota da Câmara Municipal local, “leva desde 2015 milhares de pessoas e é já uma certeza no panorama cultural da Região”.

Amanhã, 10 de maio a partir das 17 horas, a equipa que gere os destinos da autarquia, liderada por Célia Pessegueiro, visita os espaços onde vai acontecer a quarta edição, abrindo assim as festividades, um momento que conta com a representação do Governo Regional, como faz nota uma informação da autarquia.

 

A organização pretende que o Festival “seja uma autêntica celebração da arte, cultura e tradição, de forma a que quem se dirigir à Ponta do Sol entre a quinta-feira, dia 10 de maio, e domingo, dia 13, seja surpreendido por várias formas de expressão artística, não só nos vários palcos estrategicamente colocados pela vila, como também por vários pontos pedonais do concelho”

 

A mesma informação aos orgnãos de comunicação social, refere que “«o festival também envolve a comunidade escolar, na medida em que os voluntários que colaboram no festival são selecionados pela Escola Básica e Secundária. Existe ainda uma vertente religiosa no festival, que é assumida pela sua componente tradicional: a quinta-feira em que se inicia o Aqui_Acolá coincide com a Festa da Ascensão, uma festa católica em que se reúne todas as saloias que cantam nas visitas pascais (Espirito Santo) de todo o concelho, num momento muito valorizado pelos residentes”.

O programa começa esta quinta-feira, 10 de maio com abertura oficial às 17 horas. O FN divulga o programa que promete animar o concelho durante os próximos quatro dias.

Quinta-feira – 10 de Maio

17h00 – ABERTURA OFICIAL – Visita a exposições

19h30 – As Barrigas Têm Dentro • Teatro – palco 3

Teatro Feiticeiro do Norte é uma das companhias de teatro com mais atividade da região, apresenta a sua última produção com Paula Erra e Élvio Camacho.

21h30 – Colo de Teresa Villaverde • Cinema – palco 3

Teresa Villaverde marcou o cinema Português com filmes como os Mutantes, é projetada a sua mais recente longa-metragem com a presença de Vasco Pimentel, diretor de som.

22h30 – Madeira Collective Jazz • Música – palco 1

Teresa Villaverde marcou o cinema Português com filmes como os Mutantes, é projetada a sua mais recente longa-metragem com presença de Vasco Pimentel, diretor de som.

Sexta-feira – 11 de Maio

19h00 – Húmus – The dead must be killed once again?

• Dança – rua

Intervenção de dança contemporânea na rua, criado a partir das obras de Raul Brandão e de Herberto Hélder. A coreografia é de Dimitra Poulos e Nuno Sousa.

20h30 – Olhos Caídos, Ciclo Tânia Carvalho • Dança – palco 3

Uma das mais importantes coreógrafas portuguesas da dança contemporânea celebra este ano 20 anos de carreira. Olhos caídos teve a sua estreia na Bienal de Lyon.

21h45 – Dead Combo • Música – palco 2

“Dead Combo” é uma das bandas nacionais mais importantes do momento, lançou recentemente o seu 6o álbum que se encontra no 1º lugar no Top de vendas nacionais.

23h00 – Mercedes Peon • Música – palco 1

Tradicional, étnica, eletrónica são palavas que definem o trabalho Mercedes Peon, vencedora de vários prémios, apresenta um concerto de fusão etno-contemporânea.

00h30 – Dj Michael Yang • palco 1

Michael Yang assume-se como um apaixonado por boa música. O Disco, Deep House e Techno, são alguns dos estilos que o inspiram, fundador da marca Fluid.

Sábado – 12 de Maio

18h00 – Funchal Baroque Ensemble • Música – palco 5

Um concerto de música clássica que une duas vozes instrumentais (flautas) acompanhadas por uma linha de baixo (cravo e violoncelo) num palco especial do festival.

19h00 – Elisa e Tiago • Música – palco 1

Estes dois artistas iniciaram o ano passado esta parceria que os tem levado a muitos bons palcos, são detentores das mais belas vozes da nova geração de músicos da Madeira.

20h30 – Olhos Caídos • Ciclo Tânia Carvalho • Dança – palco 3

Uma das mais importantes coreógrafas portuguesas da dança contemporânea celebra este ano 20 anos de carreira. Olhos caídos teve a sua estreia na Bienal de Lyon.

21h30 – Fado das Quinas • Música – palco 1

Cinco elementos oriundos de diferentes géneros, fundiram as sonoridades dos seus instrumentos adicionando ao tradicional fado ritmos dos 4 cantos do mundo.

22h45 – Mafalda Veiga • Música – palco 2

Mafalda Veiga dispensa apresentações, com dez álbuns editados e centenas de concertos é responsável por muitos belos temas do cancioneiro português.

00h30 – Dj Celso Velosa • palco 1

Provavelmente o DJ mais versátil e eclético da Madeira, partilha a sua cultura musical desde 1997 nos melhores espaços da região.

Domingo – 13 de Maio

14h00

Retrospetiva Eduardo Costa – Documentário – palco 4

Eduardo Costa produções tem criado documentários à volta de questões socias e históricas da Madeira que têm ganho prémios e reconhecimento internacional.

14h00. A Revolta do Leite (repete às 17h00)

15h00. Fachos (repete às 18h00 ) – conversa com Eduardo Costa

16h00. L’ego do Meu Bairro (repete às 19h00)

16h00

Mulheres Como Eu… – Teatro palco 3

Apresentação do grupo de Teatro da casa do povo da Ponta do Sol com a encenação de Zé Abreu, conta a história de várias mulheres e os seus amores e desamores.

17h00

Camachofones – Música – rua

Uma das bandas de rua mais originais da região, apresentam-se com uma energia e liberdade artística única, variam géneros que podem passar do Jazz para o Afrobeat, entre outros.

18h00

Rodin – Dança – palco 3

O Bailado Auguste Rodin carateriza-se por um misto de luz e de sombra, presentes nas mais belas obras. A visão destas obras pela Companhia Madeira Ballet Theatrê.

19h30

Quarteto Moritz – Música – palco 1

Quarteto Moritz explora o universo da Braguinha, instrumento tradicional da Madeira, num panorama musical que remete às suas raízes, mas com sentimentos do presente.

20h30

Orquestra de Salão Imperatriz Sissy – Música – palco 2

O grupo foi fundado por músicos húngaros a residir na Madeira e apresentam um concerto que tem como base as operetas mas que busca inspiração em outros géneros.

Além do programa propriamente dito, o Festival dispõe ainda de intervenções de Arte Pública e o grupo de folclore local apresenta vários quadros vivos, nos dias 12 e 13 das 16 às 20.30 horas, representativos da História de Ponta do Sol em Finais do Séc. XIX e princípios do séc. XX. Em todo o espaço existem figurantes em movimento representando as vivências dessa época e atividades do dia-a-dia.