Quando separar um gatinho ou cãozinho da sua mãe? A socialização do seu animal

Um gatinho ou cãozinho bebé deverá ser separado da sua mãe e adotado entre as 8 e as 10 semanas, visto ser durante este importante período que desenvolvem o seu sistema imunitário e a sua aprendizagem. O essencial da educação do bebé desenrola-se durante o período que decorre entre o nascimento e os 6 meses de idade.

No entanto, a maioria dos comportamentos são adquiridos aos 3 meses de idade, graças ao papel preponderante da mãe, dos irmãos e irmãs. Assim, ao adotar um animal, a sua contribuição para a educação básica desse animal é limitada mas torna-o responsável por ele.

Deverá completar a sua aprendizagem relativamente ao seu novo ambiente e corrigir os seus comportamentos. Um ambiente favorável é aquele em que o seu animal se socializa facilmente, familiarizando-se com as pessoas e com o meio envolvente. Um gatinho ou cãozinho habituado desde cedo a ser manipulado por diversas pessoas evidenciará maior atividade e uma curiosidade crescente. De igual forma, a familiarização com os diferentes ruídos do quotidiano permitir-lhe-á integrar-se perfeitamente no ambiente do seu novo lar. Deve evitar separar da progenitora o animal não desmamado.

Um animal retirado prematuramente será mais difícil de educar. Se o gatinho ou cãozinho foi criado junto da mãe será aconselhável deixá-lo viver com a gata ou cadelinha até ao desmame. A sua educação será mais completa e o animal integrar-se-á com maior facilidade no seu novo lar. O animal aprende de duas formas distintas: começa por imitar os gestos da mãe, depois aprende por si mesmo, experimentando. Neste caso, vai agir e receber as consequências dos seus atos.

Se a resposta lhe for agradável, terá tendência a privilegiar estas reações. Se o ambiente em que o seu animal cresce for pobre em estímulos (por exemplo, um local isolado) será aconselhável adotá-lo a partir das 7 semanas de idade e colocá-lo em contacto com outros animais. É necessário socializar o gatinho ou cãozinho através de um máximo de estímulos externos: ser manipulado por diversas pessoas, confrontá-lo com ruídos de diferentes intensidades e com outros animais.

Quanto mais estimulante for o ambiente, mais equilibrado será o seu animal em adulto. Envolvido num ambiente desfavorável a integração do animal no novo lar levará mais tempo para ser completa, mas os resultados serão idênticos.
Os animais socializados são felizes, amigáveis, previsíveis e capazes de lidar com stress!

*Andreia Araújo, médica veterinária na Clínica Veterinária Santa Teresinha