Europa corta no Fundo de Coesão e na Política Agrícola Comum para 2021-27, eudodeputada critica proposta

cláudia monteiro de aguiar
Cláudia Monteiro de Aguiar diz que “não poderia nem deveria existir nenhuma redução que ferisse estas políticas cruciais para Estados-Membros como é o caso de Portugal”.

A proposta da Comissão Europeia para o próximo Quadro Financeiro Plurianual 2021-27 apresenta cortes no Fundo de Coesão e na Política Agrícola Comum de 6% e 5%, respetivamente. A eurodeputada do PSD Cláudia Monteiro de Aguiar aponta críticas ao documento e diz que “a posição do Parlamento foi desde sempre muito clara relativamente à pressão exercida sobre a Política de Coesão. Não poderia nem deveria existir nenhuma redução que ferisse estas políticas cruciais para Estados-Membros como é o caso de Portugal”.

Na intervenção, a Eurodeputada defendeu a necessidade de manter na Política de Coesão o “acquis da ultraperiferia”. “Estamos a falar de solidariedade para com regiões ultraperiféricas que têm custos acrescidos na mobilidade, na educação, na saúde”, e destacou ainda satisfatoriamente “o aumento de 4,8% da alocação específica adicional para as RUP, no FEDER, face ao quadro anterior” que espera ver vertido na futura revisão dos regulamentos que regem os fundos estruturais e de investimento.

Numa nota enviada à comunicação social, a eurodeputada lamentou “a ausência na proposta da linha de financiamento para o Turismo, aprovada pelo Parlamento Europeu em Março, que refere como “negativa, sobretudo quando falamos dos apoios às PME e à economia digital”.

A proposta da Comissão vai agora merecer a atenção do Parlamento Europeu que, em Maio, deverá apresentar a sua posição, cabendo agora aos Estados-Membros, representados no Conselho, a discussão deste orçamento plurianual, que tem de ser aprovado por unanimidade.

Numa outra perspetica, Cláudia Monteiro de Aguiar saudou o aumento de verbas para dar resposta  “aos novos desafios de uma União a 27, como o reforço garantido à segurança, à defesa das fronteiras, às migrações”. Enalteceu também “o reforço na inovação e investigação, no apoio aos jovens, através do aumento significativo de verbas para o Erasmus+ e Interrail”, mas  não se  inibiu de lamentar que tenha sido à custa da contração de uma das Políticas da União que maior solidariedade demonstra para com regiões mais necessitadas, a Política de Coesão.”