25 abril: Paulo Cafôfo diz que a CMF não governa para amanhã mas para a próxima geração

Foitos DR.

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo presidiu, esta manhã, à cerimónia oficial de comemoração do 44.º aniversário da Revolução de 25 de Abril de 1974.

Nos Paços do Concelho, a cerimónia começou com o hastear de bandeiras e prosseguiu com uma Sessão Solene da Assembleia Municipal do Funchal, com a presença do respetivo Presidente, Mário Pereira, e de todo o Executivo Municipal.

Na sessão solene, tiveram a palavra todas as forças políticas representadas na Assembleia Municipal, bem como o orador convidado pela CMF este ano, Miguel Cardina, Presidente do Conselho Científico do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, e especialista em colonialismo, anticolonialismo e guerra colonial.

Na intervenção da praxe, Paulo Cafôfo considerou que a introdução das comemorações do 25 de Abril no Funchal foi, “entre o muito trabalho de matriz cívica que desenvolvemos ao longo dos últimos anos, o nosso legado mais simbólico, porque é, no fundo, o exemplo de como começámos a construir uma casa pelos alicerces, levando a política de volta aos seus elementos básicos, ou seja, ao humanismo, à proximidade, à participação cívica, à transparência, e a uma relação de extrema confiança, lealdade e reciprocidade para com a sociedade civil. Aos valores que verdadeiramente nos unem a nós e ao sistema político que escolhemos, enquanto nação, há 44 anos.”

O Presidente abordou, igualmente, o trabalho de um Executivo que, ao longo dos últimos anos, “não tem governado para amanhã, mas para a próxima geração”, sublinhando o “orgulho nos frutos que o Funchal já colheu, mas, sobretudo, nos alicerces que se perpetuarão no tempo, e sobre os quais o Funchal vai poder continuar a crescer com toda a confiança, em áreas como a Reabilitação Urbana, a Habitação, a Educação, o Desenvolvimento Social, a Mobilidade Sustentável e as Zonas Altas. Se me perguntarem, é para isto que serve a política. É para isto que serviu o 25 de Abril. Para dignificarmos a Democracia, fazendo o melhor uso possível das ferramentas que ela nos proporciona, e para fazermos a diferença na vida das pessoas.”