Pedro Calado traça cenário positivo da RAM em todos os sectores, na tomada de posse dos órgãos sociais da Ordem dos Economistas

O vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, considerou hoje que a economia da Região “dá sinais de grande vitalidade, pujança e dinamismo”. As declarações foram prestadas na tomada de posse dos novos órgãos sociais da Ordem dos Economistas, ocasião em que afirmou que “todos os dados mostram isso e transmitem para a opinião pública uma grande margem de confiança no futuro, com reflexos, naturalmente ao nível do investimento”, o qual é necessário, salientou, para a criação de emprego.

“Este é um dos nossos maiores desafios: potenciar o investimento público, incentivando o investimento privado, de forma a criarem postos de trabalho, riqueza e mais rendimento disponível nas famílias. Neste momento, o Indicador de Actividade Económica mantém-se a crescer, consecutivamente, nos últimos quatro anos e meio. O que prova que a Madeira está no bom caminho e que a Economia está a desenvolver-se de uma forma sustentável, ao mesmo tempo que cumpre o seu papel, com uma gestão cada vez mais eficiente dos recursos disponíveis”, sublinhou o governante.

Pedro Calado aproveitou para enumerar as medidas que o seu governo tem tomado no apoio às PMEs e microempresas, referindo que “só no “Sistema de Incentivos ao Investimento” foram canalizados cerca de 60,6 milhões de euros, dos quais 13,3 milhões no “Pro Ciência”, 3,2 milhões no “Inovar”, 11,4 milhões no “Empreender 2020”, 7,8 milhões no “Internacionalizar” e, por fim, 24,9 milhões no “Valorizar”. Além deste, dispomos ainda do Sistema de Incentivos ao Funcionamento, com cerca de 68,4 milhões de euros. Destes cerca de 130 milhões de euros de apoio estão já comprometidos cerca de 75%”, frisou.

O vice-chefe do Executivo madeirense disse-se empenhado em continuar a apoiar as PMEs no pós-2020. Afirmou ainda que nos últimos cinco anos, o Governo Regional conseguiu reduzir cerca de 1.254 milhões de euros da dívida, um  esforço financeiro que não o tem impedido de apoiar a economia.

Traçando um cenário positivo, Pedro Calado disse que, relativamente ao mercado de trabalho, a RAM “tem as taxas de desemprego a baixar nos últimos anos, estimando-se que o valor médio da taxa de desemprego este ano não ultrapasse os 9%, face à perspectiva de melhoria da actividade económica – em todos os sectores de actividade – e dos efeitos positivos dessa evolução em termos sociais, nomeadamente, em termos de emprego”.

“Os valores positivos surgem em todos os sectores, da agricultura à indústria, destacando-se, porém, o turismo, que é também a principal actividade económica da Madeira e do Porto Santo”, exultou.

A direcção da Ordem dos Economistas é agora liderada por Paulo Pereira, que substitui André Barreto, o presidente cessante.