PS-M visitou Porto da Cruz e criticou falta de celeridade do Governo Regional na resolução de problemas causados pelas intempéries

Foto DR.

O Partido Socialista – Madeira esteve, ontem, sábado, no Porto da Cruz, tendo acusado o Governo Regional de virar as costas a esta freguesia e tendo criticado a falta de celeridade na resolução de problemas causados pelas intempéries, quer de fevereiro de 2010, quer de novembro de 2013.

Nesta inicitiva, na qual se fez acompanhar por outros elementos da direção e autarcas do partido, o líder do PS-M começou por responder ao «ainda presidente do Governo Regional da Madeira», o qual havia proferido declarações dirigidas aos madeirenses para estarem atentos ao Governo da República da responsabilidade do Partido Socialista. «Eu, como presidente do PS-Madeira, reitero as palavras do ainda presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, dizendo exatamente que os madeirenses têm de estar atentos a todo o trabalho, a todo o empenho do Governo da República da responsabilidade do Partido Socialista para com a Região Autónoma da Madeira», disse Emanuel Câmara. Um exemplo bem recente, apontou, foi a transferência de cerca de 17 milhões de euros dos jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa para a Madeira, que servirão para acudir às necessidades da Região, nomeadamente, e como já foi veiculado pelo Governo Regional, no setor da Saúde e na parte social.

Por outro lado, Emanuel Câmara salientou que foi também da responsabilidade de um Governo da República do PS que a Lei de Meios foi uma realidade, a qual «veio acudir» aos problemas causados pelas intempéries que assolaram a Região, nomeadamente em fevereiro de 2010. Tal como lembrou, nessa altura foi acordado entre o Governo da responsabilidade do PS e o Governo da Região uma Lei de Meios que orçava em 1.080 milhões de euros, sendo que, desses, «740 milhões são da responsabilidade do Orçamento de Estado e os outros 340 milhões da responsabilidade do Orçamento da Região Autónoma da Madeira».

Contudo, o presidente do PS-M constata que, infelizmente, em toda a Região ainda se verificam situações particulares, em que não houve, da parte do Executivo madeirense, uma forma célere de atacar os problemas que apoquentaram as populações. No caso do Porto da Cruz, Emanuel Câmara disse tratar-se de uma das freguesias às quais «o Governo Regional virou as costas», pois «não atendeu às consequências» das intempéries de 2010 e de novembro de 2013. «Esta freguesia foi assolada por intempéries e não houve, por parte do Governo Regional, uma celeridade na resolução dos seus problemas», vincou o líder do PS-M, apontando os casos do cemitério do Porto da Cruz, a canalização de algumas ribeiras e muros de suporte das mesmas e de propriedades. Problemas que, aliás, disse não se verificarem apenas nesta freguesia, mas um pouco por toda a Região. Mostrou-se igualmente preocupado com a questão da proteção da orla costeira. «Tudo obras que estavam contempladas nesta Lei de Meios», sendo que «o Governo Regional, mostrando a sua incapacidade na resolução dos problemas dos madeirenses, tarda nessa sua resolução», vincou.

A direção do PS-M lamentou ainda que o dinheiro da Lei de Meios nem sempre tenha sido utilizado na reconstrução pós-20 de Fevereiro.