JPP lamenta opções do PSD em termos orçamentais, que “prejudicam o social”

O JPP surgiu hoje a lamentar as opções do Governo PSD, em termos orçamentais, que, em seu entender, estão a prejudicar claramente o social, sem capacidade de resposta para as reais necessidades da população, a favor do betão.

O partido “Juntos pelo Povo” já havia alertado para a derrapagem orçamental de 2017, “uma situação que em nosso entender levou à saída do anterior Secretário Regional  das Finanças, Rui Gonçalves”.

Segundo os dados do Boletim de Execução Orçamental  de 2017, verificou-se “um descalabro nas contas públicas, com uma execução de menos 70 milhões ao nível da receita dos impostos directos e,  somando as demais derrapagens, atinge-se os 90 milhões aquém do orçamentado”.

Com esta má execução, foi o orçamento dito “social”, apresentado pelo PSD, a sofrer um duro golpe, sobretudo em áreas determinantes para a RAM, afundadas pelos programas de ajustamento assinados pelos anteriores executivos, seja ao nível regional (PAEF), seja ao nível municipal (PAEL).

O JPP afirma que o Governo Regional gastou menos 81 milhões na Saúde, menos 24 milhões e menos 32 milhões na Educação e na Habitação e Serviços Colectivos.

“É caso para concluir que o orçamento dito social, não passou de mini-social, e com mais apetência para o betão, do que para as reais necessidades sociais da população. A agravar este cenário,  o  défice global apresentado é de 157 milhões de euros e o mais provável é que a dívida tenha também aumentado em relação ao final do ano de 2016”, afirmam os responsáveis desta força política, que concluem assim que “o governo falhou em toda a linha e com consequências nefastas para todos os madeirenses e portosantenses”.