Caso do Padre Giselo citado na imprensa francesa

O caso do padre Giselo, o ex-pároco do Monte que recentemente assumiu a paternidade de uma criança e que por isso foi afastado da paróquia, não se limita a ser falado na Madeira e no nosso país, por todos os tabus da Igreja Católica que põe em causa. Ontem, o jornal francês “Ouest France” publicou um artigo sobre este assunto, intitulado “Padre e pai, poderá conservar o seu ministério na Madeira”. O artigo refere que o padre Giselo assumiu a paternidade de uma filha, nascida em Agosto do ano passado, e que, embora tenha sido afastado dos seus deveres de pároco, “continuará a exercer o ministério pastoral” noutras funções, “no domínio das comunicações”. O jornal francês reconhece que não é obviamente a Igreja portuguesa a única a enfrentar este tipo de situações, numa matéria sensível como o celibato dos padres.

O artigo refere ainda que o papa Francisco, quando era arcebispo de Buenos Aires, considerava que um padre que tivesse engravidado uma mulher deveria abandonar o seu ministério.

Entretanto, ao Funchal Notícias chegaram também manifestações de cidadãos franceses felicitando o padre Giselo pela sua “coragem” e endereçando-lhe mensagens de apoio.

Recorde-se que todo este caso do padre Giselo veio surpreender não só a comunidade do Monte, mas todo a Madeira  e mesmo o país, puxando novamente para a ribalta a questão da lógica da Igreja Católica insistir ainda hoje no celibato do clero.