OCM dá concerto de Carnaval no dia 11 às 18 horas; promete espectáculo divertido

O jovem maestro Pablo Urbina é o convidado da Orquestra Clássica da Madeira para dirigir o concerto de Carnaval que se realizará no dia 11, pelas 18 horas, no Centro de Congressos da Madeira (Casino).

Neste concerto,a Orquestra, que se tem destacado pelos concertos diversificados e pelos solistas e maestros convidados, despir-se-á da sua imagem tradicional e “surpreenderá com irreverência, humor e permanentes surpresas, sem perder a exigência técnica e musical que nos é reconhecida”, refere o director artístico da OCM, o violinista Norberto Gomes.

O tema deste concerto recaiu sobre o Zodíaco, inspirando à magia, ao esotérico, ao ocultismo.

Neste Concerto de Carnaval a OCM convida o público a ir disfarçado ao concerto e a sintonizar-se com os músicos da Orquestra.

Os bilhetes custam entre 20€ e 5€ e estão disponíveis no La Vie Funchal Shopping Center – Loja Naturalmente Português (Piso 1), das 09:00 às 22:00, e no dia do concerto no local, a partir das 14:00.

O programa é constituído por obras de Paul Dukas (1865 – 1935), nomeadamente “O Aprendiz de Feiticeiro”; de Gustav Holst  (1874-1934)  serão tocadas passagens da suite “Os Planetas” Op. 32, nomeadamente “Mercúrio” e “Urano”.

Já de Mozart, será interpretada a abertura da ópera “A Flauta Mágica”. Josef Strauss (1827-1870) também está representado, com a “Pizzicatto Polka”. Já do compositor contemporâneo Oscar Navarro, nascido em 1981, será tocada a “Downey Overture”.  De Rossini, (1792 – 1868), interpretar-se-á  a dança de “Tarantella Napolitana”. O concerto terminará com uma obra conhecidíssima, o tema do filme “Star Wars”, de John Williams.

Pablo Urbina, o maestro, tem apenas 29 anos de idade, é espanhol e está a ganhar reconhecimento pela sua abordagem apaixonada e profunda à música, tendo já dirigido na Europa, América e Ásia.

Recentemente, semifinalista num concurso de direcção na Humgria, Pablo Urbina dirigiu orquestras, como a Orquestra Sinfónica de Navarra (Espanha), a Orquestra Filarmónica de Málaga (Espanha), a Orquestra Nacional de Jovens (Portugal), a Orquestra Sinfónica de Savaria na Hungria, a Farnborough Symphony, ESF Orchestra em Hong Kong e a Royal College of Music Film Orchestra, da qual Pablo foi co-fundador.

Trabalhou com músicos como Bernard Haitink, John Wilson, Vladimir Jurowski, Midori Goto, Juan Diego Florez, Cecilia Bartoli, Randy Newman, Pablo Mielgo, Martin André e John Williams, em salas emblemáticas como o Royal Albert HallRoyal Festival HallWalt Disney Hall e a Ópera de Viena.

Urbina é actualmente director musical da London City Orchestra onde mantém uma agenda composta por projectos que vão desde gravações a projectos de multimédia. Também é entusiasta da ópera, tendo trabalhado com a Orquestra Sinfónica de Navarra e com a Fundação da Ópera Baluarte (Espanha), a Harmonia Orchestra (em conjunto com os membros da Filarmónica de Viena), a Ópera de Câmara de Navarra (Espanha). fez a estreia mundial em espanhol com da “Eloise” de Karl Jenkins. Urbina também participou em masterclasses com maestros de renome como Colin Metters, Wilson Hermanto e Howard Williams.

Neste Verão, Urbina participou num workshop no Cabrillo Music Festival of Contemporary Music, na Califórnia, tendo trabalhado com Crsti Macelaru, Thomas Sleeper e Leonard Slatkin, e dirigiu a Orchestra Excellence na primeira edição do Festival de Música Suoni Da Golfo em Lerici, Itália. Os próximos compromissos incluem o seu retorno a dirigir a Orquestra Sinfónica de Navarra e a Orquestra Nacional de jovens em Portugal.

 Pablo Urbina está muito envolvido na educação musical e divulgação, desenvolvendo extensas pesquisas sobre o futuro da música clássica através de crianças e do trabalho com organizações, incluíndo o Royal Opera House Covent Garden, RCM Sparks, a Wigmore Hall Foundation, o Redbridge Music Service e a BBC Proms. Efectuou pesquisas na área das lesões dos músicos e prevenção das mesmas, sobre a qual deu inúmeras palestras.  De 2012 a 2013, Pablo foi presidente da Associação de Estudantes do Royal College of Music. Actualmente pesquisa a música de Michael Kamen, ajudando a sua organização a preservar o legado musical deste compositor. Defensor de causas de caridade através da música, ajudou váriaas organizações. Como intérprete, trabalhou com diversos ensembles, incluindo a Orquestra Sinfónica de Navarra (Espanha), American Youth Symphony, Harmonia Orchestra (incluindo uma recente interpretação na Staatsoper de Viena com membros da Orquestra de Filarmónica de Viena),YMF Debut Orchestra, Euskadi Youth Orchestra e Texas Music Festival Orchestra, actuando no Wigmore Hall, Purcell Room, Dorothy Chandler Pavillion de Los Angeles e Amaryllis Fleming Concert Hall. Urbina é aficcionado da música de câmara. Recentemente integrou o The Cataleya Woodwind Quintet, 2013-2014 Park Lane Artists.