Vereadora do CDS/PP contra cortes da Câmara à superespecial na Ponta do Sol e diz que o Carnaval tem 8 mil euros mas não dá tanto retorno

Sara Madalena B
Sara Madalena diz que a realização da superespecial é uma mais valia para o comércio da Ponta do Sol, mais do que o Carnaval, que tem o apoio de 8 mil euros.

O anúncio, por parte da Câmara Municipal da Ponta dop Sol, de cortes nos apoios a eventos desportivos e culturais do concelho, alegando prioridades bem mais relevantes para a canalização de verbas. O primeiro evento a ver refletida essa decisão é a Rampa que se realiza em fevereiro e que, relativamente à superespecial habitualmente realizada na sexta-feira, deixa de contar com o apoio da autarquia, inviabilizando assim a sua efetivação este ano.

Quem não concorda com esta decisão é a vereadora do CDS/PP, Sara Madalena, que se insurge contra a eliminação dessa superespecial e solicita mesmo “esclarecimentos no que concerne aos valores publicados: 8000 euros no primeiro ano e 21000 euros no segundo, em apoios à dita prova, face à disparidade entre ambos os montantes, colocando-se a questão de estar a ser publicado o valor total da despesa da prova no segundo ano, inversamente à prova noturna, isoladamente”.

Sara Madalena lembra que o Executivo justifica a não concessão de apoios à dita prova com a canalização dos fundos para o apoio ao transportes dos utentes do CAO (Centro de Atividades Ocupacionais), mas refere que em notícias publicadas no DN local, “o PS levaria à reunião de Câmara a discussão da atribuição do dito apoio, de pouco mais de 2000 euros, que sucedeu no passado dia 25, sem que, porém, tal tenha sido proposto”.

A ser verdade, diz, “que o apoio à prova noturna da rampa da Ponta do Sol, no primeiro ano foi de cerca de 8000 eur e no segundo de, pasme-se, 21000 eur (continuamos a pedir esclarecimentos quanto a este valor), então existe cabimento mais que suficiente para patrocinar a prova noturna e o apoio ao transporte dos utentes do CAO”.

O CDS PP defende a realização da superespecial, alegando que se trata de um acontecimento que “fomenta, grandemente, o comércio local, porquanto após a mesma, equipas, pilotos e espetadores se juntavam nos bares e restaurantes locais, lotando os espaços, reembolsando em larga escala o investimento camarário, mais que não seja na promoção turística e cultural do concelho”.

A vereadora faz um paralelismo entre esta decisão e uma outra que ocorreu na passada sessão de câmara, que foi aberta ao público e onde “foram atribuídos pouco mais de 8000 euros de apoio às atividades de Carnaval na Vila de Ponta do Sol, de resto aprovado por unanimidade”. Face a isto, Sara Madalena diz que atendendo ao facto de estarmos perante “um evento direcionado, mormente para as crianças e idosos, o retorno comercial e de promoção municipal é consideravelmente inferior, já que nesse dia sucedem-se os eventos de iguais características por toda a ilha e tendo em consideração a idade média dos participantes, após o evento, as zonas comercias, que neste caso, ao contrário da rampa, só se concentram na Vila, ficam rapidamente pouco frequentado, já que pelo cansaço, crianças e idosos tendem a regressar mais cedo para casa”.