Presidentes das duas regiões autónomas anunciam reforço de intercâmbio entre estudantes; deixam mais conclusões para amanhã ou depois

Fotos: Rui Marote

Nada de muito novo saiu, até agora, da reunião dos executivos da Madeira e dos Açores nesta cimeira que junta ambos os arquipélagos. Tanto Vasco Cordeiro como Miguel Albuquerque foram evasivos relativamente às questões colocadas pelos jornalistas, que desejavam saber se já algo tinha sido acertado para uma actuação conjunta em determinadas áreas. Porém, os presidentes claramente entendiam ser demasiado cedo para avançar com informações demasiado conclusivas.

Os chefes dos governos regionais das duas regiões autónomas portuguesas estiveram hoje à tarde reunidos durante cerca de duas horas no edifício do Governo, à Avenida Zarco, acompanhados de secretários regionais e assessores. À saída, esquivaram-se à comunicação social e percorreram as ruas  do centro do Funchal, atravessando a placa central até à Assembleia Legislativa Regional. Ali mantiveram um encontro de cortesia e de apresentação de cumprimentos com o presidente do parlamento, Tranquada Gomes. Só à saída puderam os jornalistas interpelá-los.

Vasco Cordeiro prometeu que “amanhã ou depois” será dada conta, em detalhe, das diligências efectuadas para “aprofundar esta relação de parceria, de cooperação” entre Açores e Madeira.

“É com muito prazer que cá estou”, sublinhou, dizendo que a sua última visita a título oficial foi em 2007. Na sequência da visita realizada por Miguel Albuquerque aos Açores em 2016, este foi um período que “permitiu também fazer um ponto da situação daqueles que foram todos os protocolos celebrados na altura, permitiu fazer uma análise das matérias” que interessam a ambas as regiões, e “perspectivar a forma como podemos manter viva esta relação de parceria, e sobretudo aprofundá-la e levá-la mais além”.

“Este foi um trabalho que, da minha parte, me deixou muito satisfeito”, acentuou.

Vasco Cordeiro disse que assuntos na área da economia e dos transportes foram abordados, e salientou a consciência do entendimento das diferenças, mas também da convergência de interesses em determinados “aspectos que podem fortalecer esta cooperação e esta parceria”.

Por seu turno, Miguel Albuquerque referiu que, após a reunião de trabalho de hoje, está previsto um conjunto de visitas de trabalho, incluindo à Universidade da Madeira, e ao M-ITI, porque “uma das áreas que queremos aprofundar é exactamente a da investigação científica e da tecnologia”. Albuquerque disse que, depois das visitas a realizar amanhã, será anunciado um “conjunto de intenções”.

O trabalho feito até agora pelas duas regiões, acrescentou, tem sido “extremamente positivo”, na área da juventude, das pescas… “Aquilo que conseguimos nas pescas nestes últimos dois anos foi muito importante, a utilização das nossas zonas económicas exclusivas para o intercâmbio a nível da pesca foi fundamental”, disse. Por outro lado a nível, por exemplo, da Protecção Civil, o intercâmbio de cooperação na área da formação tem sido significativo, bem como os contactos estabelecidos também nas áreas da saúde ou da cultura, e ainda na área da mobilidade da juventude.

“Muitos dos nossos jovens, residentes na Madeira ou nos Açores, conhecem mais facilmente por exemplo Praga, Roma ou Paris do que São Miguel ou o Funchal”, afirmou. Nesse sentido, ambas as regiões vão desenvolver um projecto de intercâmbio entre os estudantes madeirenses e açorianos, com incidência também nas áreas da solidariedade e do voluntariado.

Foi levantada pelos jornalistas a possibilidade de uma companhia aérea que juntasse os interesses da Madeira e dos Açores; mas Albuquerque respondeu salientando a ligação aérea existente para os Açores, “que tem-se mantido e é muito importante”. Mas admitiu o interesse de reforçar a mobilidade, não apenas a nível do transporte aéreo, mas também o reforço da “mobilidade digital”, que citou dando como exemplo os cabos submarinos.

Da Assembleia Legislativa Regional, a comitiva dos dois presidentes dirigiu-se então rapidamente para a Reitoria da UMa, atravessando artérias centrais do Funchal e surpreendendo os transeuntes. Aparentemente em boa forma, os presidentes da Madeira e dos Açores obrigaram alguns assessores a deslocarem-se praticamente a trote no sentido ascendente, em direcção ao vetusto Colégio dos Jesuítas, onde os aguardavam já elementos da PSP, fardados.

Os dois governantes também se têm feito acompanhar por segurança pessoal, mas, de modo geral, mostraram-se bastante descontraídos ao circular pela urbe funchalense. Vasco Cordeiro está em solo amigo.