Coligação com o JPP ‘falhou’ o poder na Câmara da Maia e já provocou baixas no PS

Coligação pré-eleitoral foi assinada por Élvio Sousa (JPP) e Ana Catarina Mendes (PS).

O PS coligou-se com o Juntos Pelo Povo (JPP) para concorrer às eleições Autárquicas do passado dia 1 de outubro, na Maia, no Distrito do Porto, mas os resultados da coligação “Um Novo Começo” não foram os desejados.

A coligação até obteve 36,63% do eleitorado mas a outra coligação, a do PSD/CDS, denominada “Maia em Primeiro” havia de ganhar com 39,95% dos votos.

O PS não conseguiu alcançar o poder que, já em 2013, sozinho, lhe tinha fugido e já há duas baixas.

Segundo a edição do jornal “Maia Primeira Mão”, que ilustra a peça com uma fotografia da assinatura do acordo pré-eleitoral PS/JPP (onde aparece Élvio Sousa e a secretária-geral do PS Ana Catarina Mendes), dois elementos do secretariado concelhio do PS da Maia demitiram-se daquela estrutura.

Rui Moreira e João Pedro Pinto terão alegado que “o Partido Socialista da Maia, no decorrer e na sequência do recente ato eleitoral, abdicou da sua autonomia estratégica e política”.

Na carta de demissão dirigida ao presidente da mesa da Comissão Política Concelhia do PS Maia, Andrade Ferreira, segundo o “Maia Primeira Mão”, pode ler-se que “a Comissão Autárquica designada para o acompanhamento do processo eleitoral não teve a capacidade de fazer cumprir o Contrato de Coligação assinado pela Secretária-Geral Adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, esvaziando assim as competências e obrigações políticas do PS que do mesmo decorriam. Em simultâneo, toda a atividade política do PS Maia foi suspensa, originando atropelos estatutários e ausência de representatividade dos militantes do concelho da Maia na Coligação”.