Carlos Pereira diz que reuniu com Pedro Calado mas “saiu sem respostas”

Na reunião, esta manhã, com o vice-presidente do Governo Regional, o presidente do PS-Madeira, Carlos Pereira, procurou saber alguns números do orçamento em diversas áreas. No entanto, refere um comunicado dos socialistas, “saiu sem respostas”.

Em relação ao novo hospital, “parece que, afinal, não irá arrancar neste mandato, uma vez que o plano de pagamento das expropriações dos terrenos para o novo hospital do Funchal, que prevê a distribuição de verbas nos orçamentos até ao ano das eleições regionais (2019), indica que o “Governo não tem qualquer intenção de construir o hospital neste mandato”, apesar de Miguel Albuquerque o ter prometido. “Não se consegue pôr 20 milhões para expropriações, então como pode pensar num hospital?”, questiona. “O que sabemos é que o PS conseguiu junto da República 50 por cento da obra, mas é preciso que a região faça o seu trabalho”.

Para além dessa questão, Carlos Pereira tentou apurar junto de Pedro Calado como ficará a situação dos precários da função pública, e abordou também as políticas de apoio social. O presidente do PS considerou que o governo regional, ao longo dos últimos anos, não tem colocado na sua agenda política as questões sociais e que quem sofre com isso são as pessoas. Nesse sentido,  garantiu que toda a política social que existe na Madeira é uma transposição daquilo que se passa no plano nacional.

Por outro lado, perguntou ao vice-presidente do Governo quando é que serão tomadas medidas “para que sejam entregues aos madeirenses os 400 milhões de euros que foram retirados, em impostos, desde que acabou o PAEF”.