Crónica Urbana: Mentir com todos os dentes

Rui Marote
Quando eu era criança, as “costureiras” eram consideradas as pessoas que mais mentiam à face da terra. As mentiras sucediam-se umas atrás das outras. Arranjavam sempre uma desculpa (mentira) para o trabalho não estar pronto. Uma hora mandavam alguém dizer não estava em casa, pois tinha saído para comprar preparos. Outra hora estava doente. Outra diziam: “já talhou mas falta alinhavar, passe amanhã”. No entanto, o tecido ainda estava empacotado. Diziam: “fica pronto na quinta-feira ao final do dia”, mas ainda estava tudo por fazer. Enfim, um rol de mentiras, desde o nascer do dia ao pôr-do-sol.
Hoje esta profissão está praticamente extinta. Tudo se compra feito. Há emendas que saem mais caro que uma peça nova da loja.
Já bíblicamente, enfim, não existem dúvidas de que Deus odeia a mentira… Ou a serpente não a tivesse usado para enganar Eva e convencê-la a comer o fruto proibido…

Toda esta introdução para falar-vos dos últimos acontecimentos acerca da remodelação do Governo Regional…

Dias decorridos após as eleições autárquicas, era anunciada uma grande remodelação. O primeiro a abandonar o barco foi Rui Gonçalves, secretário das Finanças, ao mesmo tempo que se  arranjava um culpado pelo naufrágio nas eleições. Recordo que na semana de encerramento da campanha eleitoral, o Governo foi bombardeado diariamente com a situação da saúde e a falta de medicamentos, e que o orçamento nessa área se tinha esgotado. Depois atribuiram-se os maus resultados a “falta de comunicação”, o que até parece uma anedota: em 40 anos de Governo as secretarias regionais nunca tiveram tantos assessores de imprensa como o actual executivo. Há secretarias que têm três jornalistas como assessores. E há jornais que não têm nos seus quadros o batalhão de profissionais da comunicação que estão ao serviço deste governo. Uma falsa desculpa. E fomos alimentando o noticiário com nomes que entram e que saem. Albuquerque faz uma pausa, vai a Londres, passeia por Picadilly e afasta-se das pressões.

A RTP Madeira, no domingo, dia 8, abre o telejornal das 21 horas anunciando Pedro Calado como vice do Governo de Albuquerque, acumulando as pastas das Finanças e Economia.

Entretanto, o presidente passeia nas terras de Sua Majestade. Pedro Calado com o telefone bloqueado pelo volume de chamadas; os secretários regionais surpreendidos a perguntarem-se… “serei eu… ou serás tu??”.

Miguel é bombardeado por telefonemas de Secretários querendo saber da veracidade da notícia divulgada pela RTP. O presidente descansa os visados, que poderiam estar calmos e serenos nas suas secretarias. O próprio Pedro Calado nessa noite fez a vez do apóstolo Pedro, negando. Mas nem foi preciso o galo cantar e tudo estava consumado, inclundo as exigências de Calado para voltar estavam aceites.

Hoje sabemos que não o estão a 100%, e só amanhã ficará tudo preto no branco, durante uma reunião na Quinta Vigia. Mas muito falta a remodelar; a procissão ainda vai no adro… Que se cuidam directores de serviços e directores regionais. O fumo branco só aparecerá na chaminé da  presidência ao final da manhã ou da tarde de amanhã.

Nos governos de AJJ foram poucas as remodelações durante 37 anos, e quando se sucediam Alberto João não alimentava mentiras na comunicação social. Ele dizia: nem ao meu travesseiro confidencio… durmo toda a noite descansado.

Apetece recordar a canção de Amália Rodrigues, “(…) nem às paredes confesso… 

Hoje a prática é outra, é primeiro dizer isto, para depois dizer aquilo. Só depois a verdade transpira.