Bombeiros em condições “deploráveis”, viaturas “avariadas há meses” e ambulâncias com “pneus carecas”, denuncia a “Nova Mudança”

LOGO ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS 2017

Nova Mudança Bombeiros
A “Nova Mudança” denuncia falta de condições no Corpo de Bombeiros Sapadores do Funchal.

O candidato da “Nova Mudança” à Câmara do Funchal acusa a atual vereação de Paulo Cafôfo de “não ter dinheiro para resolver os problemas dos bombeiros mas estar a anunciar a constituição de um corpo de polícia municipal”. Roberto Vieira marcou o primeiro dia de campanha com uma visita ao quartel do Corpo Bombeiros Sapadores do Funchal e logo manifestou a sua indignação pelas condições em que se encontram os homens e as mulheres que ali prestam serviço e pela falta de manutenção das viaturas.

O candidato considera que foi feita quase como uma “bandeira política” do facto dos bombeiros terem passado a sapadores, “mas a verdade é que aquilo que mudou foi só o nome, de resto continuam com os mesmos salários, as carreiras congeladas, havendo aqui uma discriminação concreta relativamente a outros bombeiros sapadores do País, que ganham muito mais”.

Neste contexto da visita ao quartel, Roberto Vieira denuncia ainda “o estado em que se encontram algumas viaturas de socorro, que estão avariadas há meses sem que se proceda à respetiva reparação para que estejam em condições de responder a eventuais emergências”, referindo ainda ter constatado que “existem ambulâncias, quer para o socorro a situações de emergência, quer para o transporte de doentes, que têm os pneus “carecas” e que por isso circulam em condições de insegurança”.

Roberto Vieira não entende “como é que há dinheiro, por exemplo, para criar uma Polícia Municipal, proposta pela atual Câmara e sobre a qual nós dizemos já que estamos contra, e já não há dinheiro para resolver os problemas dos bombeiros, para comprar pneus para as ambulâncias e para encontrar solução para as condições deploráveis, miseráveis mesmo, para os bombeiros que pernoitam no quartel. Não entendemos nem aceitamos este comportamento da Câmara para com estes homens e mulheres que nos socorrem em situação de dificuldade”.